Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/10 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Comunidade internacional começa a discutir implementação do Acordo de Paris sobre o clima

media Ativistas fazem protesto diante de calota polar para alertar sobre os riscos do aquecimento do planeta. Lenoir/File Photo

A ONU dá início nesta segunda-feira (8) a uma reunião para implementar o Acordo de Paris sobre o clima, em um momento em que os principais indicadores do aquecimento global são mais alarmantes do que nunca. Os negociadores também têm que enfrentar a resistência da Rússia e dos Estados Unidos, dois dos maiores poluidores do planeta.

Seis meses depois da comoção que representou a eleição nos Estados Unidos de um presidente cético quanto à realidade das mudanças climáticas, os signatários do histórico Acordo de Paris se reúnem a partir desta segunda-feira, em Bonn, para começar a aplicá-lo. "Este acordo internacional é a única esperança de sobrevivência para os pequenos estados insulares", declarou Thoriq Ibrahim, ministro de Meio Ambiente das Maldivas, em um comunicado publicado na véspera da reunião em Bonn.

Sua declaração reflete a grande preocupação dos países mais vulneráveis às mudanças climáticas, reforçada pela chegada ao poder de Donald Trump e sua decisão de não lutar contra o aquecimento do planeta. Os países litorâneos e as pequenas ilhas estão particularmente expostos à elevação do nível do mar provocado pelas mudanças climáticas (dilatação das águas, derretimento das calotas polares e das geleiras).

Mas Thoriq Ibrahim destaca a mobilização política, apesar da eleição de Trump, em plena conferência sobre o clima de Marrakesh. "Desde a COP22, em novembro, 44 países ratificaram o acordo, recorda, e com isso já são 144 nações no total, equivalentes a 83% das emissões mundiais".

A reunião de Bonn (8-18 maio) deveria ser "muito técnica", mas "a especulação sobre a posição de Washington figura no topo das nossas preocupações", disse à AFP Thoriq Ibrahim, em nome dos pequenos Estados insulares. Além da sua vontade de apoiar a exploração de energias fósseis, Trump prevê deixar de financiar o Fundo Verde para o Clima, a Convenção do clima da ONU (que supervisiona as negociações) e o Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre a Evolução do Clima (Giec).

Para Putin, é impossível impedir o aquecimento do planeta

No final de 2015, em Paris, 195 países e a UE conseguiram fechar um acordo para combater o aquecimento global, o que implica – entre outras medidas – uma transição energética radical, que substitua as energias fósseis (carvão, petróleo, gás). Entre os grandes emissores de gases de efeito estufa, apenas Moscou não ratificou o texto, apesar de tê-lo assinado em Paris.

Além disso, é pouco provável que os russos o façam sob a presidência de Vladimir Putin, que, em março, declarou que é impossível impedir o aquecimento climático vinculado, segundo ele, aos "ciclos globais da Terra". A Rússia é o quinto maior emissor depois da China, Estados Unidos, União Europeia e Índia.

Washington, por sua vez, não deixou claro se quer ou não sair do Acordo de Paris, mas começou a desmantelar a política ambiental impulsionada pelo ex-presidente Barack Obama. A Casa Branca deve anunciar suas intenções no final de maio.

O próximo G20, no início de julho, na Alemanha, também servirá de "esclarecimento", assegura Laurence Tubiana, ex-negociadora francesa, para saber se o clima continua no topo da agenda dos países mais poderosos. Os membros do G20 representam cerca de três quartos das emissões mundiais de gases do efeito estufa.

China e Índia mantêm compromissos

Se por um lado os governos russo e americano são uma incógnita na luta climática, a China e a Índia reafirmaram seus compromissos. "Pequim está sob grande pressão interna para reduzir a poluição do ar produzida pelo carvão e combustíveis fósseis, e tem grande interesse em ser líder dos mercados das novas tecnologias", explica Alden Meyer, da Union of Concerned Scientists.

"Nova Délhi também vê grandes vantagens em seus objetivos de desenvolvimento de energias renováveis para melhorar a qualidade do ar e reduzir as importações do petróleo", acrescenta.

Para que o Acordo de Paris possa ser plenamente aplicado a partir de 2020, várias disposições devem ser aprofundadas. Ainda não se sabe quais informações os países deverão publicar sobre sua política climática, e que tipos de projetos estão incluídos na contabilidade dos financiamentos do clima.

Os países têm até a COP24, na Polônia, em 2018, para redigir uma espécie de manual ("livro de regras") sobre o Acordo de Paris. Até lá, deverão decidir de que forma farão um pré-balanço em 2018, de caráter voluntário e chamado de "diálogo facilitador". Trata-se de saber que informações deverão ser dadas e com que finalidade.

A reunião do ano que vem foi agendada porque os cientistas consideram que os compromissos adotados pelos países antes da COP 21 implicarão em um aumento médio da temperatura global de 3°C em relação à era industrial, e que as emissões devem ser reduzidas o mais rápido possível para que a subida da temperatura fique abaixo de 2°C, um nível que já traria enormes alterações em grande escala.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.