Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Unesco aprova resolução contestada por Israel sobre status de Jerusalém

media Colônia judaica Givat Zeev nos arredores de Jerusalém REUTERS/Baz Ratner/Archivo

O conselho executivo da Unesco adotou nesta sexta-feira (5) uma resolução sobre o status de Jerusalém, que apresenta Israel como uma "potência ocupante" e que já suscitou a ira do país.

Essa resolução, proposta por vários países árabes, estipula que "todas as medidas tomadas por Israel, que alteraram ou que buscam alterar o status de Cidade Santa de Jerusalém" serão "nulas e sem valor e deverão ser retiradas".

O texto denuncia a lei de anexação de Jerusalém Oriental, apropriada por Israel em 1967. A resolução, adotada por consenso, já havia sido votada na terça-feira (2) em comissão, com 22 votos a favor e 10 contra. Vinte e três Estados membros se abstiveram.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, qualificou o texto de "absurdo" e afirmou que ele nega o vínculo histórico que os judeus têm com Jerusalém. Como represália, Israel anunciou na quarta-feira (3) que dará 1 milhão de dólares a menos em doação para a ONU.

Confronto em outubro

Em outubro, já houve um confronto entre Israel e a Unesco, quando esse país, indignado com a votação de uma resolução sobre o patrimônio cultural palestino de Jerusalém, convocou seu embaixador na ONU.

Para protestar contra essas resoluções da Unesco, que considera hostis a Israel, o governo de Netanyahu ordenou vários cortes em sua contribuição ao orçamento das Nações Unidas, que caiu de US$ 11 milhões para US$ 3,7 milhões, segundo um responsável israelense.

Israel considera Jerusalém em seu conjunto como sua capital "unificada", algo jamais reconhecido pela comunidade internacional, enquanto os palestinos querem fazer de Jerusalém Oriental a capital do Estado ao qual aspiram.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.