Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Por que as fake news fazem tanto sucesso?

Por que as fake news fazem tanto sucesso?
 

 A revista francesa Le Point desta semana traz uma longa reportagem de capa sobre a mentira. Com o título, “o fracasso da verdade”, o dossiê de 13 páginas tenta explicar, com a ajuda de cientistas de várias áreas, porque as teorias do complô, as manipulações da informação e os rumores têm encontrado tanto sucesso atualmente, em um fenômeno cada vez mais ampliado pela internet.

Quem nunca ouviu a teoria de que o ataque contra as Torres Gêmeas do World Trade Center não aconteceu? Ou ainda que a Terra não é redonda e que, na verdade, a Nasa teria manipulado as imagens às quais estamos acostumados há séculos? Esses são alguns dos exemplos usados pela revista Le Point, que se interessou pela propagação das falsas informações no mundo.

A reportagem explica que as “fake news” sempre existiram. Elas apenas mudaram de nome, pois os rumores, a propaganda e a mentira não são nenhuma novidade no mundo.

Porém, os grupos que lançam teorias absurdas estão cada vez mais organizados, comenta o texto, que conta o caso do ex-primeiro-ministro neozelandês, John Key, que passou por um exame médico em 2014 para provar que não era um réptil. Pode parecer piada, mas a iniciativa do premiê foi uma forma de acabar de uma vez por todas com os rumores de que ele faria parte de uma raça alienígena capaz de transformar sua aparência para escravizar os seres humanos. Também fariam pertenceriam à espécie a rainha Elizabeth II e o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama.

Em uma das reportagens sobre o tema, Le Point traz um artigo do sociólogo Gérald Bronner, autor do livro “La démocratie des crédules”. Segundo ele, uma das razões do sucesso das crenças atuais é o sentimento de impotência vivido pela sociedade. Para o pesquisador, diante da globalização dos fluxos econômicos, migratórios e da informação, a população tem a sensação de “perder o controle” e esse seria “um dos aspectos que favorecem a dimensão viral das teorias do complô”. É o caso do aquecimento global, visto como uma invenção por vários grupos, como lembra o filósofo Lee McIntyre, da Universidade de Boston, que também foi entrevistado pela revista francesa.

Gérald Bronner prossegue dizendo que “o sentimento de viver em um ambiente no qual não se pode agir alimenta interpretações conspiratórias, pois elas explicariam os fenômenos por meio da ação de vontades potentes e ocultas”. Mas para o sociólogo, a internet ajudou a alimentar esse fenômeno, pois deu voz a pessoas até então confinadas em grupos radicais.


Sobre o mesmo assunto

  • Para imprensa estrangeira, revelações de Jucá reforçam tese do complô contra Dilma

    Saiba mais

  • Imprensa

    França quer lutar contra teses de complô que seduzem jovens

    Saiba mais

  • Fundos/EUA

    Ministro argentino denuncia complô financeiro contra Brasil e Argentina

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.