Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Bomba americana no Afeganistão mata dezenas de jihadistas do EI

media Forças especiais afegãs na província de Nangarhar, nesta sexta-feira, 14 de abril de 2017. REUTERS/Parwiz

A bomba americana de destruição em massa por explosão não-nuclear, lançada na quinta-feira (13) no leste do Afeganistão pelos Estados Unidos, atingiu locais ocupados pelo grupo Estado Islâmico na região.

A operação foi um “sucesso” segundo o presidente americano, Donald Trump. Trump declarou ainda estar "muito orgulhoso" pela ação militar. As autoridades afegãs garantem que tudo foi feito para evitar vítimas civis e que pelo menos 36 jihadistas morreram durante a operação.

Alguns moradores da província de Nangarhar, a alguns quilômetros da área de impacto, afirmaram que o poder de explosão da bomba GBU-43 foi tal que as janelas de sua casa explodiram e a terra foi sacudida como em um "poderoso terremoto ", nas palavras de um deles, citado pela imprensa local.

Não se sabe ainda o número eventual de mortes de civis, embora o general John Nicholson, que comanda as forças americanas no Afeganistão, tenha declarado de que todas as precauções foram tomadas para evitar "danos colaterais", segundo relatou a correspondente da RFI em Cabul, Sonia Ghezali.

O porta-voz do governo afegão afirmou que as aldeias da região foram evacuadas, indicando ainda que o grupo Estado Islâmico sofreu baixas numerosas em suas fileiras. Pelo menos 36 combatentes morreram, de acordo com o Ministério da Defesa afegão, que declarou em um comunicado que "alguns esconderijos e um complexo de túneis estratégicos dos jihadistas foram destruídos."

Esta operação foi preparada há muito tempo pelos americanos, que intensificaram os bombardeios nessa área. Trata-se de um apoio aéreo às forças afegãs e americanas que combatem vários grupos armados na província, fronteira com o Paquistão.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.