Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

EUA lançam a “mãe de todas as bombas” contra EI no Afeganistão

media MOAB pesa mais de nove toneladas e é a mais importante bomba não nuclear dos Estados Unidos Elgin Air Force Base/Handout via REUTERS

 Os Estados Unidos lançaram nesta quinta-feira (13) no Afeganistão sua bomba não nuclear mais potente contra cavernas sob o controle do grupo radical Estado Islâmico. Segundo o Pentágono, essa é a primeira vez que esse tipo de armamento é usado.

 A bomba, conhecida pela sigla MOAB, "atingiu um complexo de cavernas" e túneis escavados no distrito de Achin, na província oriental de Nangarhar, disse o porta-voz do Pentágono, Adam Stump. O representante norte-americano fala de uma operação inédita com esse tipo de artefato explosivo, que havia sido utilizado apenas em testes.

O nome oficial o armamento é GBU-43/B, mas ele é popularmente chamado de "mãe de todas as bombas" (MOAB, na sigla em inglês). O dispositivo pesa pouco mais de nove toneladas e foi desenvolvido pelo Laboratório de Pesquisas da Força Aérea americana.

O general John Nicholson, chefe das forças norte-americanas no Afeganistão, disse que a gigantesca bomba é "a munição adequada para reduzir os obstáculos e manter o impulso de nossa ofensiva" contra o grupo Estado Islâmico.

Civis teriam sido poupados

Pouco depois, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, disse que "os Estados Unidos tomaram todas as precauções necessárias para evitar vítimas civis e danos colaterais como resultado desta manobra". Mas, segundo ele, a operação era necessária.

Os Estados Unidos possuem 8.400 soldados no Afeganistão. Esses militares formam, aconselham e apoiam as forças afegãs em seus combates contra os talibãs e o grupo Estado Islâmico.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.