Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Celebração do regime pode ser pretexto para teste nuclear na Coreia do Norte

media O líder norte-coreano Kim Jong Un supervisiona os preparativos para a comemoração de sábado ©REUTERS/Damir Sagolj

A área de testes nucleares de Punggye-ri, na Coreia do Norte, está "pronta" para ser utilizada, segundo analistas do site "38 North", especializado no regime de Pyongyang. A informação aumenta a tensão entre o país e os EUA, que prometeram agir para colocar fim às provocações do regime.  

Imagens de satélites da zona, obtidas em 12 de abril, "mostram atividade contínua em torno do portal norte, e novas atividades na principal zona administrativa e de pessoal próximo ao centro de comando", segundo o 38 North. De acordo com o site, Pyongyang "aparentemente instalou um dispositivo nuclear em um túnel que poderá ser detonado na manhã de sábado.

No próximo dia 15, o regime norte-coreano celebra o 105º aniversário de nascimento de seu fundador, Kim Il-Sung. Estas datas são geralmente comemoradas com exibições de força militar. A imprensa estatal norte coreana informa nesta quinta-feira que o líder Kim Jong-Un supervisionou manobras militares das forças especiais.

Segundo a agência oficial KCNA, Kim Jong-un assistiu de um posto de observação manobras envolvendo salto de paraquedistas de aparelhos leves das forças especiais que caíram "como granizo" para "destruir sem piedade objetivos inimigos". "Este exercício mostra novamente que os invasores imprudentes provarão o sabor das balas do nosso Exército Popular coreano e a guerra", disse o líder.

Iminência de um "grande ataque"

Os jornalistas estrangeiros presentes na Coreia do Norte foram convidados pelo regime comunista a assistir as comemorações e se prepararem para um “grande evento”. O regime não especificou, entretanto, se havia uma relação entre este convite e o programa nuclear norte-coreano.

Na terça-feira, a Coreia do Norte prometeu reagir ao envio de uma flotilha dos Estados Unidos à península coreana e advertiu estar pronta para a "guerra". Uma nova série de testes de mísseis balísticos da Coreia do Norte despertou os temores dos Estados Unidos de que Pyongyang possa desenvolver um míssil intercontinental capaz de carregar uma ogiva nuclear e atingir o território americano.

Pyongyang já realizou cinco testes nucleares subterrâneos, sendo dois em 2016.
Há uma semana, disparou um míssil que caiu no Mar do Japão, na véspera de uma reunião entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder chinês, Xi Jinping. Trump ameaça com uma ação unilateral contra a Coreia do Norte caso a China, aliada de Pyongyang, fracasse em controlar seu turbulento vizinho.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.