Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Coreia do Norte faz novo teste de míssil balístico

media O líder norte-coreano Kim Jong Un em foto cedida pelo regime datando de 1 de abril Reuters

A Coreia do Norte disparou nesta quarta-feira (5) um míssil balístico sobre o Mar do Japão, de acordo com o ministério sul-coreano da Defesa e o exército americanos.

O míssil de médio alcance do tipo KN-15 voou cerca de 60 km, de acordo com o comunicado do Ministério e caiu no Mar do Japão nove minutos depois. Os Estados Unidos e Coreia do Sul estão analisando a trajetória para determinar o tipo do projétil. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou que o disparo constitui uma "provocação grave", que "claramente viola as resoluções do Conselho de Segurança". "É possível que (a Coreia do Norte) faça novas provocações".

A inquietação na Península é cada vez maior diante do suposto avanço dos programas nuclear e balístico da Coreia do Norte, que tenta desenvolver um míssil de longo alcance capaz de atingir o território americano com uma ogiva nuclear. Até agora, a Coreia realizou cinco testes nucleares, dois deles no ano passado.

Em fevereiro, Pyongyang disparou quatro mísseis, três dos quais caíram perto do Japão, em um teste que tinha como objetivo simular um ataque a bases americanas no arquipélago. Seis pacotes de sanções impostas pela ONU desde um primeiro teste nuclear norte-coreano em 2006 não conseguiram dissuadir Pyongyang de seguir adiante com seus programas.

A Coreia do Norte já fez cinco testes nucleares subterrâneos, dois deles em 2016, e tenta desenvolver mísseis intercontinentais capazes de carregar uma ogiva atômica.

Trump falará com China sobre assunto

Em declarações publicadas no domingo, o presidente americano, Donald Trump, disse estar disposto a "resolver" por conta própria o problema com a Coreia do Norte, caso a China, principal aliada de Pyongyang, não aja para por um ponto final às ambições militares norte-coreanas.

Trump deve se reunir na quinta-feira com o presidente chinês, Xi Jinping, para falar sobre o assunto. Na segunda-feira, o ministério norte-coreano das Relações Exteriores considerou "irresponsáveis" os três dias de exercícios militares navais dos Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão, que terminaram na quarta-feira. Estas "ações irresponsáveis" levam a península "à beira da guerra", declarou um porta-voz do ministério norte-coreano das Relações Exteriores, citado pela agência oficial KCNA.

(Com informações da AFP Brasil)

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.