Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

China e EUA vão trabalhar juntos contra programa nuclear da Coreia do Norte

media Rex Tillerson e Wang Yi hoje em Pequim Reuters

China e Estados Unidos se comprometeram neste sábado (18) a trabalhar juntos para que a Coreia do Norte freie seu programa nuclear, que eleva a tensão na península a um "nível perigoso".

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, se esforçou para adotar um tom conciliador em sua primeira visita a Pequim, um dia após um tuíte do presidente Donald Trump no qual acusa a China de não pressionar o suficiente seu aliado norte-coreano. Por sua vez, Pequim critica Washington por alimentar as tensões com exercícios militares na Coreia do Sul.

"Trabalharemos juntos para ver se podemos levar o governo de Pyongyang a mudar de posição e se afastar do desenvolvimento de armas nucleares", afirmou Tillerson ao término de uma reunião com seu colega chinês, Wang Yi, em Pequim.

"Acredito que compartilhamos uma mesma visão e uma sensação de que a tensão na península é muito elevada atualmente e que as coisas alcançaram um nível perigoso", acrescentou.

Em resposta, o ministro chinês reafirmou a posição de Pequim, único aliado do regime de Pyongyang, que estipula que a única maneira de resolver a crise na Coreia é através do diálogo.

"Podemos escolher entre deixar que a situação se deteriore até levar a um conflito ou retornar o caminho adequado das negociações", declarou Wang.

Pequim, assim como Washington, "espera encontrar a forma de reativar as negociações e não abandona a esperança de alcançar a paz", afirmou o ministro chinês.

Encontro de presidentes

O novo chefe da diplomacia americana chegou a Pequim no fim da manhã, procedente da Coreia do Sul, onde na sexta-feira (17) anunciou o fim da política de "paciência estratégica" seguida pelos Estados Unidos em relação a Pyongyang e ao seu programa nuclear e balístico.

Na quinta-feira, o Japão constatou o fracasso de 20 anos de esforços diplomáticos para frear o programa nuclear norte-coreano e defendeu um "novo enfoque".

Mas Pyongyang permanece inflexível. "Se os Estados Unidos fizerem o menor gesto para lançar um ataque preventivo contra nós, nossa força de ataque nuclear aniquilará o quartel-general dos provocadores e invasores", afirmou neste sábado em um comentário o principal jornal norte-coreano, Rodong Sinmun.

"Se o governo americano continuar com suas pressões, os esforços que têm por objetivo encontrar uma nova solução se perderão para sempre", advertiu o jornal.

A hermética dinastia comunista realizou na semana passada disparos de mísseis, três dos quais caíram em águas territoriais japonesas. Pyongyang afirmou que se tratava de disparos de treinamento contra bases americanas no Japão.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.