Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/05 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/05 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/05 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/05 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/05 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/05 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/05 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/05 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Mercado de trabalho é tema de encontro na ONU sobre direitos da mulher

media O encontro anual da ONU estuda políticas que possam fazer as mulheres evoluírem e terem direitos no mundo do trabalho © 2017 Pixabay

Durante duas semanas, o 61° encontro anual da Comissão sobre o Estatuto da Mulher das Nações Unidas vai debater o panorama atual do mercado de trabalho. Pesquisa no Brasil aponta que 32% dos homens acham que mulheres deveriam ficar em casa sem nenhuma atividade profissional.

Os direitos e a autonomia econômica das mulheres em um mundo do trabalho em evolução constante. Este é o tema central do maior fórum de Estados-membros da ONU e de diversos atores internacionais, que começou nesta segunda-feira (13), em Nova York, presidido pelo embaixador brasileiro, Antonio Patriota. O objetivo é debater direitos e autonomia das mulheres, achar conclusões comuns e recomendá-las para adoções de políticas.

Este encontro acontece em um momento chave, visando a implantação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Suntentável ganhando impulso, e com o mundo do trabalho em plena e rápida transformação. Para a ONU, esse cenário traz desafios e oportunidades para a autonomia econômica das mulheres e para a justiça econômica.

Entre os temas que serão discutidos até o dia 24 de março, estão o trabalho não remunerado, as diferenças salariais, os desafios da economia informal e as oportunidades criadas pela economia verde e novas tecnologias.

Brasileiros ainda precisam evoluir sobre o trabalho feminino

Em entrevista à ONU News, em Nova Iorque, o diretor do Escritório da Organização Internacional do Trabalho, OIT, Vinícius Pinheiro, falou sobre a pesquisa feita pela agência e o Gallup, mostrando detalhes sobre a mulher no mercado de trabalho. "Em relação ao Brasil, por exemplo, se você pergunta às mulheres se elas querem trabalhar ou ficar em casa, em geral, cerca de 72% das mulheres dizem que preferem um trabalho remunerado a ficar em casa. Dentro desse total, se você pergunta se elas querem ficar em casa e trabalhar ao mesmo tempo, ou seja, trabalhar e ao mesmo tempo lidar com as atividades familiares, cerca de 28% delas dizem que sim e 26% dizem só querem trabalhar e não cuidar das atividades familiares. Se você perguntar aos homens se eles querem que as mulheres trabalhem, 66% dizem que sim e 32% dizem que as mulheres não deveriam trabalhar e deveriam ficar somente em casa."

Inovação e discriminação

A ONU Mulheres menciona que embora o mercado de trabalho atual esteja cada vez mais moldado por inovação, globalização e mobilidade humana, ele também é altamente impactado por "persistente discriminação com base em gênero, informalidade crescente e desigualdade na renda".

Segundo a agência, apenas 49,6% das mulheres em idade produtiva estão no mercado de trabalho em comparação a 76% dos homens. Quanto aos salários, são 2,5 vezes mais baixos.

(Informações de Laura Gelbert Delgado, da Rádio ONU, em Nova Iorque)

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.