Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Últimos jihadistas do grupo Estado Islâmico estão cercados em Mossul

media Combates violentos ainda devem ser travados para a reconquista da totalidade de Mossul REUTERS/Thaier Al-Sudani

Neste domingo (12), os Estados Unidos anunciaram que os últimos extremistas que ficaram na cidade de Mossul estão cercados, depois que a Nona Divisão do exército cortou a última via de escape em Badush, no noroeste da cidade. Grupo perdeu 60% dos territórios conquistados no Iraque.  

"Os combatentes que estão em Mossul vão morrer na cidade", afirmou Brett McGurk, enviado americano para a coalizão internacional de combate aos jihadistas. Ele ressaltou que a coalizão está empenhada em impedir que os terroristas possam fugir.

Civis encurralados

As autoridades americanas calcularam há pouco tempo em 2.500 o número de jihadistas presentes na zona oeste de Mossul e na cidade de Tal Afar, a oeste. McGurk afirmou que o grupo perdeu 60% dos territórios que havia conquistado em 2014 no Iraque. Apesar do enfraquecimento do inimigo, os militares iraquianos alertam que batalhas sangrentas ainda estão por vir até a reconquista total da segunda maior cidade do Iraque. O motivo são os métodos utilizados: "Estamos lutando contra um inimigo que emprega métodos irregulares, que se esconde entre os cidadãos e utiliza explosivos, franco-atiradores e homens-bomba. Mas a operação visa precisamente salvaguardar a vida dos cidadãos", afirmou o general Yahya Rasool, porta-voz do comando das operações conjuntas. O conflito causou um verdadeiro êxodo.

A resistência deve ser bastante forte na Cidade Velha, bairro histórico com ruas estreitas, onde centenas de milhares de civis ainda estão presos. As unidades de intervenção rápida e policiais federais atacavam neste domingo Bab al-Toub, perto da Cidade Velha, enquanto forças especiais combatiam nos bairros al-Jadida e Al-Aghawat. Elas avançam a partir do sul e já assumiram vários distritos desde o lançamento, em 19 de fevereiro, da sua grande operação para retomar a zona oeste da cidade.

A ofensiva na zona oeste de Mossul é a segunda grande fase da operação lançada em 17 de outubro pelas forças iraquianas. Ela é apoiada pela coalizão internacional sob comando americano, que anunciou no final de janeiro a "libertação" da zona leste. Mossul foi conquistada em junho de 2014 pelo grupo ultrarradical sunita durante uma ofensiva relâmpago que lhe permitiu tomar grandes territórios no Iraque.

Envolvidos na ofensiva de Mossul, membros das forças paramilitares iraquianas Hashd al-Chaabi, dominadas por milícias xiitas, anunciaram no sábado a descoberta de uma vala comum na prisão de Badush, perto de Mossul. A vala comum, contendo os corpos de centenas de detentos xiitas executados pelo grupo EI, é a última de uma série de outras descobertas pelas forças iraquianas nos últimos meses.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.