Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Justiça aprova impeachment da presidente da Coreia do Sul

media A Corte Constitucional da Coreia do Sul confirmou nesta sexta-feira (10) a destituição da presidente Park Geun-Hye. REUTERS/Kim Min-hee/Pool TPX IMAGES OF THE DAY

A Corte Constitucional da Coreia do Sul confirmou nesta sexta-feira (10) a destituição da presidente Park Geun-Hye, envolvida em um escândalo de corrupção que levou a seu afastamento do cargo em dezembro passado. A decisão unânime do tribunal acaba com meses de crise política no país, e prevê a convocação de eleições antecipadas nos próximos 60 dias.

As ações de Park "constituem um grave atentado ao espírito da democracia e ao Estado de Direito", declarou o presidente da Corte Constitucional, Lee Jung-Mi. "A presidente Park Geun-Hye foi destituída", confirmou.

Grupos de opositores e partidários do impeachment se reuniram diante da Corte Constitucional para acompanhar a sessão decisiva, que foi transmitida pela televisão. Milhares de manifestantes, a favor e contra Park, saíram às ruas da capital sul-coreana. Cerca de 20 mil policiais foram mobilizados.

Partidários de Park cantaram hinos militares, agitaram bandeiras da Coreia do Sul e prometeram lutar pela presidente destituída. A televisão mostrou cenas de confrontos e violências entre os partidários da presidente e a polícia. Dois manifestantes morreram na mobilização.

"Estou pronto para derramar meu sangue para proteger a democracia", disse Bae Soo-Rok, um militar da reserva de 58 anos, vestido com um uniforme da Marinha. "A presidente Park está sendo sacrificada em um tribunal fantoche".

Segundo as pesquisas, 77% dos sul-coreanos apoiam o impeachment da presidente.

Primeira presidente mulher da Coreia do Sul

Park, filha do ditador Park Chung-Hee, se tornou a primeira presidente da Coreia do Sul, ao ser eleita em 2012 com a maior votação da história democrática do país. Mas seu estilo distante e o envolvimento em uma série de polêmicas, somadas ao descontentamento social e político no país, minaram sua popularidade e levaram milhões de pessoas às ruas para pedir o impeachment.

Em dezembro, o Parlamento destituiu Park por corrupção e abuso de poder, em uma decisão confirmada nesta sexta-feira pela mais alta corte do país. Com a decisão, Park será obrigada a abandonar o Palácio Presidencial e perderá sua imunidade de chefe de Estado.

O escândalo político teve como figura central Choi Soon-sil, chamada de "Rasputina" pela imprensa sul-coreana. Amiga de Park há 40 anos, Choi Soon-sil é acusada de utilizar sua influência para receber mais de US$ 70 milhões de diferentes empresas sul-coreanas, e de intromissão nos assuntos do Estado.

Em diversas ocasiões, Park pediu perdão pelo escândalo, mas sempre negou as acusações de ter agido ilegalmente. "Jamais busquei enriquecimento ou abusei do poder como presidente. Peço à corte que adote uma decisão sabia", argumentou em carta enviada aos juízes.

No entanto, a Corte concluiu que Park violou a lei ao permitir a ingerência de Choi Soo-sil em assuntos do Estado. "O presidente tem que usar seu poder conforme a Constituição e as leis, e os detalhes sobre sua função devem ser transparentes, para que o povo possa avaliar seu trabalho, mas Park ocultou completamente a intromissão de Choi nos assuntos de Estado, e a negou quando emergiram as acusações, inclusive criticando seus acusadores", alegou.

Novas eleições na Coreia

Com a destituição da presidente, a Coreia do Sul deve realizar eleições presidenciais em 9 de maio. O favorito é Moon Jae-In, antigo líder do opositor Partido Democrático, que tem o apoio de 36,1% dos eleitores, segundo pesquisa divulgada na quinta-feira (9).

A destituição de Park ocorre em um momento particularmente delicado para a Coreia do Sul, que enfrenta uma crescente tensão com a vizinha Coreia do Norte, agravada nos últimos dias pelos disparos de mísseis balísticos norte-coreanos sobre o Mar do Japão.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.