Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Trio espanhol ganha Pritzker, o Nobel da arquitetura

media Rafael Aranda (e), Carme Pigem (d) e Ramon Vialta foram os vencedores o Pritzker 2017 Eddy KELELE / AFP

Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta, três espanhóis do estúdio RCR Arquitectes, na Catalunha, ganharam o prestigioso Pritzker 2017. O resultado do prêmio, que é visto como o Nobel da arquitetura, foi divulgado nesta quarta-feira (1°).

Os arquitetos catalães, originários de Olot, trabalham juntos desde a fundação do estúdio, em 1988. Foi na cidade do nordeste da Espanha que os três profissionais desenvolveram parte de sua obra, antes de trabalhar em projetos na França, Bélgica e Dubai.

O trabalho do estúdio RCR é conhecido por sua sobriedade e pelo uso das cores predominantes do parque natural da Garrotxa, na Catalunha. Os projetos são geralmente marcados pelo uso do aço, que lembra a pedra vulcânica da região de origem do trio.

Oscar Niemeyer ganhou o mesmo prêmio

“É uma grande alegria e uma grande responsabilidade”, declarou Carme Pigem ao receber o anúncio do prêmio, ressaltando que os três arquitetos sempre trabalharam juntos. Essa é a primeira vez desde que o Pritzker foi criado, em 1979, que três profissionais são premiados ao mesmo tempo. A honraria já foi concedida no passado a nomes como Oscar Niemeyer, Paulo Mendes da Rocha, Jean Nouvel ou Frank Gehry.

Em um comunicado, o júri explicou que a escolha se deve em parte ao apego dos arquitetos com sua região natal. “Nós vivemos em um mundo globalizado, onde devemos levar em conta as influências internacionais e as trocas comerciais. Porém, cada vez mais as pessoas têm medo de que, por causa dessas influências, nós percamos nossos valores locais, nossa arte local e nossos costumes”, detalha o texto.

Arquitetos fizeram museus famosos, mas também quadras esportivas

O trio reivindica a influência da escola de arquitetura de Barcelona, que marcou os Jogos Olímpicos de 1992, mas também da arquitetura tradicional do Japão e do trabalho dos escultores espanhóis Eduardo Chillida e Jorge Oteiza, além do pintor americano Mark Rothko. Os catalães também se sentem próximos da obra do pintor francês Pierre Soulages, para quem projetaram um museu na cidade de Rodez, no sul da França. O prédio, que abriga as telas abstratas do artista, foi inaugurado em 2014 e desde então não deixa de ser celebrado pela pureza de suas linhas. O estúdio RCR também assinou piscinas, quadras esportivas, restaurantes e prédios universitários.

O Pritzker é dotado de um prêmio de US$ 100 mil, que será entregue aos ganhadores durante uma cerimônia em Tóquio, no dia 20 de maio.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.