Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Grupo extremista islâmico degola alemão nas Filipinas

media O alemão Jürgen Kantner, ao lado da esposa, Sabine Merz, em foto de arquivo. AFP/Mustafa ABDI

Os extremistas do grupo Abu Sayyaf decapitaram um refém alemão sequestrado no ano passado no sul das Filipinas. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (27) pelo serviço de inteligência SITE, especializado em monitorar as páginas de organizações radicais na internet.

Um vídeo publicado na internet pelo Abu Sayyaf mostra a decapitação, com uma faca, de Jürgen Kantner, de 70 anos. O alemão foi sequestrado em novembro do ano passado enquanto navegava com sua esposa ao longo da costa de Sabah, na Malásia. Na época, ele foi levado para a ilha de Jolo, onde ficou preso durante os últimos quatro meses e onde foi executado.

Já o corpo de Sabine Merz, mulher de Kantner, foi encontrado no veleiro à deriva no sul do país pelo exército filipino no dia 7 de novembro. O casal já havia sido sequestrado em 2008 por piratas somalis no Golfo de Aden, quando permaneceram em cativeiro por 52 dias. Em entrevistas, depois de ter sido libertado, o velejador afirmou que jamais deixaria de navegar temendo futuros sequestros.

Corpo de velejador ainda não foi encontrado

A organização Abu Sayyaf, que é partidária do grupo Estado Islâmico, exigia um pagamento de € 560 mil para libertar o refém - prazo que expirou neste domingo (26). A execução ocorreu no arquipélago de Sulu, na província autônoma de Mindanao, no sul das Filipinas. O corpo do septuagenário alemão ainda não foi encontrado.

O governo filipino condenou nesta segunda-feira a "decapitação bárbara" do alemão. Para as autoridades, este é um movimento mais criminoso do que ideológico. O grupo, acusado de estar por trás dos mais violentos atentados na história do arquipélago, arrecadou milhões de dólares com resgates de reféns estrangeiros e cristãos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.