Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 22/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 22/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 22/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 22/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 22/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 22/01 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 20/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 20/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Em Davos, Bolsonaro promete Brasil entre os 50 melhores países do mundo para fazer negócios
Mundo

Fluxo de armas aumentou no mundo, mostra relatório

media Balas em um stand do salão armamento Eurosatory 2016. RFI/Olivier Fourt

O fluxo de armamento em direção à Ásia, à Oceania e ao Oriente Médio aumentou nos últimos cinco anos, de acordo com um relatório publicado nesta segunda-feira (20) pelo SIPRI (Instituto Internacional de Pesquisa pela Paz), em Estocolmo.

Os cinco maiores exportadores são os Estados Unidos, a Rússia, a China, a França e a Alemanha, que concentram, sozinhos, 74% do volume total de vendas de armas. As importações de armas pelos países da Ásia e da Oceania aumentaram 7,7%. O documento compara o período entre 2007 e 2011 e 2012 a 2016.

Elas representam 43% do fluxo global, diz o relatório. A Índia é o maior importador mundial, com 13% do total. Um destaque é o Vietnã, que passou do 29° para o 10° lugar do ranking, com um aumento de 202%.Outra conclusão do documento é que as transferências de armamento pesado entre 2012 e 2016 atingiram seu maior volume desde o fim da Guerra Fria.

No Oriente Médio, as importações de armas dobraram e aumentaram 86%, representando 29% do total mundial. Os países que mais adquiriram armamento na região foram a Árabia Saudita e o Catar, com um aumento de 212% e 245%, respectivamente.

“Nos últimos cinco anos, a maior parte dos estados do Oriente Médio buscam através das importações da Europa e dos EUA acelerar suas capacidades militares”, disse Pieter Wezeman, pesquisador principal do programa Armas e Despesas Militares do SIPRI. “Apesar da diminuição do preço do barril do petróleo, os países da região continuaram a encomendar mais armas do que em 2016. Eles consideram como um instrumento essencial para enfrentar conflitos e tensões regionais”.

EUA são o principal exportador

Os Estados Unidos continuam sendo o principal exportador, fornecendo armas para pelo menos 100 países em todo o mundo. A Rússia representa 23% das exportações mundiais, sendo que 70% do armamento são destinados para a Índia, o Vietnã, a China e a Argélia.

A China exporta de 3,8% a 6,2% e a França e Alemanha 6% e 5,6%, que registrou uma queda de 36% entre 2007 e 2011 e 2012 e 2016. Outro destaque do relatório é a diminuição da compra de armas de 19% pela Colômbia, possivelmente ligado ao acordo de paz com as Farc, e um aumento de 184% no México.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.