Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

China vai taxar a poluição, mas não as emissões de CO2

media Poluição na cidade chinesa de Handan S.Lagarde

A China, maior emissor mundial de gases de efeito estufa, aprovou no domingo (25) um novo imposto sobre a poluição, mas que não inclui as emissões de CO2.

A lei sobre a taxa ecológica, dirigida a empresas e instituições, foi votada pelo comitê permanente do Parlamento chinês, poucos dias depois de uma onda de poluição que deixou parte da região norte do país em alerta vermelho por seis dias.

O imposto entrará em vigor em 1° de janeiro de 2018, segundo a agência oficial Xinhua. A lei fixa o pagamento de 1,2 yuane (€ 0,16) por cada unidade de emissões de poluentes.

A agência cita como exemplo 850 gramas de dióxido de enxofre. Mas o dióxido de carbono (CO2), principal gás que provoca o efeito estufa, responsável pelo aquecimento global, não aparece na lista de emissões poluentes tributadas.

Ratificação do Acordo de Paris

A lei inclui um imposto para a poluição da água (1,4 yuane) e também para a poluição sonora (de entre 350 e 11.200 yuanes ao mês em função dos decibéis). A taxa para os resíduos sólidos é de entre 5 e 1 mil yuanes por tonelada.

As províncias poderão aplicar taxas 10 vezes mais elevadas, mas também reduzir os impostos caso as emissões poluentes sejam inferiores à legislação estatal.

A China anunciou em setembro a ratificação do acordo de Paris sobre o clima, que prevê limitar a 2 graus o aumento da temperatura global em comparação ao período pré-industrial. O acordo entrou em vigor em novembro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.