Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Belém, na Cisjordânia, recebe menos turistas que o esperado

media Turistas visitam a Igreja da Natividade, em Belém Reuters

Belém, na Cisjordânia, está em festa, mas esperava receber muito mais turistas para as celebrações de Natal. Foi na cidade que, segundo a tradição, Jesus nasceu.

Richard Furst, correspondente da RFI em Belém, na Cisjordânia 

Segundo autoridades locais, 2 milhões de visitantes passaram por Belém em 2016, mas o público não fica mais do que duas horas na cidade, que está a 10 km de Jerusalém.

Com tantas festividades, o foco no turismo em massa é insuficiente, critica o especialista Fadi Kattan. Tentando reverter a situação, o palestino fundou o projeto Visite a Palestina

“Todos os nossos planos são para tempo curto e médio. Não conseguimos planejar a longo prazo porque não sabemos o que vai ser da política entre israelenses e palestinos”, explica.

Cercada por assentamentos

Belém está cercada por 18 assentamentos judaicos, que são áreas consideradas palestinas, mas com construções israelenses. E já começou a ser construída uma polêmica parte do muro que vai dividir Belém de Jerusalém, no Vale de Cremisan.

Sobre mais um Natal com o muro dividindo palestinos e israelenses, a prefeita de Belém, Vera Baboun, responde que é um problema de responsabilidade do mundo inteiro.

“O que a gente tenta fazer é ter uma vida melhor dentro dos muros. A minha preocupação é que essa divisão não seja eternizada. Aceitar esse muro é trágico, mas há uma diferença entre aceitar e resistir a tudo isso”, afirma.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.