Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Reunião entre Rússia, Turquia e Irã exclui EUA de discussão sobre a Síria

media Os ministros das relações exteriores iraniano, russo e turco nesta terça-feira (20), em Moscou. REUTERS/Maxim Shemetov

 Um encontro entre os ministros do Exterior e de Defesa da Rússia, Turquia e Irã aconteceu esta terça-feira (20), em Moscou, para discutir uma saída política para o conflito na Síria. Essa reunião deixou de fora a diplomacia dos Estados Unidos, uma figura chave na guerra.

Após a reunião o ministro, de relações exteriores russo, Sergei Lavrov, disse que os países concordam que a prioridade na Síria é lutar contra o terrorismo e não a remoção do governo de Bashar Al-Assad. Um membro do ministério das relações exteriores da Turquia disse à Reuters que a reunião tenta entender os pontos de vista dos três lados e discutir os rumos da aliança. "O encontro não é um milagre, vamos dar a oportunidade para todos os lados falarem e serem ouvidos,” disse.

Com “todos os lados” ele se refere aos que estavam na reunião. Os Estados Unidos, país central no conflito, não foi convidado a participar, nem a ONU foi consultada. A razão, segundo o New York Times, é que o governo americano não possui o mesmo ponto de vista dos outros países. A Casa Branca é da opinião de que o ditador sírio, Bashar Al-Assad, seja retirado do poder, enquanto os outros desejam sua permanência.

Outra razão seria que os Estados Unidos estejam ajudando as forças curdas em solo sírio, o que não é bem viso pelo governo turco, que considera a milícia curda YPG, na Síria, um braço do Partido dos Trabalhadores Curdo da Turquia, o PKK, visto por Ancara como uma organização terrorista.

Ainda segundo o New York Times, o próximo governo americano, liderado pelo novo presidente Donald Trump, ainda não articulou uma política para a Síria, mas já deu sinais de que vai trabalhar junto com a Rússia para lutar contra o extremismo religioso, como o grupo Estado Islâmico.

 
O tempo de conexão expirou.