Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Atentado com carro-bomba na Turquia deixa 13 soldados mortos

media Ataque a ônibus na Turquia deixou 13 soldados mortos Turan Bulut/ Ihlas News Agency via REUTERS

Ao menos 13 soldados turcos morreram e dezenas de pessoas ficaram feridas neste sábado (17) em um atentado contra o ônibus que transportava os militares na cidade de Kayseri, centro da Turquia.

"Todos os elementos apontam no momento para um ataque do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK)", afirmou o vice-primeiro-ministro turco, Numan Kurtulmus.

O ministro do Interior, Suleyman Soylu, anunciou um balanço de 55 feridos, seis deles em estado grave. Também informou que oito falecidos já foram identificados. O exército anunciou que, entre os feridos, estavam 48 militares.

"Os atentados terroristas estão dirigidos, além de policiais e militares, contra nossos 79 milhões de compatriotas", afirmou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em um comunicado.

Sem mencionar de forma específica o ataque de Kayseri, o presidente afirma que a Turquia recebe ataques de todas as organizações terroristas, "especialmente" do PKK, classificado como "organização terrorista" por Turquia, Estados Unidos e União Europeia.

"Lutaremos sem descansar contra essas organizações terroristas, em um espírito de mobilização nacional", completou.

Uma semana após atentado em Istambul

A explosão, às 8h45 locais (3H45 de Brasília), aconteceu uma semana depois de um atentado que deixou 44 mortos no centro de Istambul, reivindicado por um grupo armado curdo.

O vice-primeiro-ministro Veysi Kaynak já havia declarado que o ataque de Kayseri "infelizmente se parece" ao da semana passada.

O carro-bomba explodiu quando o ônibus passou a seu lado, confirmou o primeiro-ministro Binali Yildirim. As primeiras imagens exibidas pelos canais de televisão mostram um ônibus destruído com muita fumaça.

O governo determinou a proibição temporária da divulgação de imagens do ataque, uma medida que foi aplicada após os principais incidentes nos últimos meses.

 ayseri é uma das principais cidades do interior do país e um centro industrial - e não era considerada um alvo de atentados.

"A maldição do terrorismo"

Desde o verão de 2015, com a retomada do conflito curdo e os combates na Síria, a Turquia se tornou cenário de uma série de atentados atribuídos ao grupo Estado Islâmico (EI) ou ao PKK e a seus grupos afiliados.

Em junho, 47 pessoas morreram em um atentado suicida no aeroporto internacional Atatürk de Istambul, um ataque atribuído ao EI.

No sudeste do país, em Gaziantep, 57 pessoas morreram em agosto em um atentado suicida durante um casamento curdo, um ataque também atribuído ao EI.

No dia 10 de outubro de 2015, 103 pessoas morreram em atentados na principal estação de trens de Ancara, durante uma manifestação pró-curdos. O ataque, o mais violento já executado na Turquia, foi mais um atribuído ao EI.

Ao mesmo tempo, o país se recupera de uma tentativa de golpe de Estado em 15 de julho, que segundo as autoridades turcas foi orquestrado pelo pregador Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos e que nega as acusações.

Depois da tentativa de golpe, o governo turco iniciou um grande expurgo, que foi além da busca pelos supostos golpistas e atingiu setores pró-curdos e os meios de comunicação.

O atentado de 11 de dezembro em Istambul teve como alvos os policiais que estavam próximos do estádio de futebol do Besiktas. A ação foi reivindicada pelos Falcões da Liberdade do Curdistão (TAK), um grupo radical vinculado ao PKK.

Depois do atentado, o presidente Erdogan prometeu que Ancara lutaria "até o fim contra esta maldição que é o terrorismo".
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.