Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Estudo avalia países equacionando mudanças climáticas, conflitos e situação econômica

Estudo avalia países equacionando mudanças climáticas, conflitos e situação econômica
 
Mudança de modelo econômico poluente é fundamental para diminuir riscos do países Divulgação

Foi divulgado na última terça-feira um estudo que, pela primeira vez, avalia os países unindo critérios como mudanças climáticas, riscos de conflitos e situação econômica.

A pesquisa, batizada de A Economia da Segurança Planetária: As Alterações Climáticas como Fator de Conflito Econômico, foi realizada pelo Centro de Estudos Estratégicos de Haia e pelo Instituto Clingendael de Relações Internacionais. O resultado pode ser conferido em uma plataforma online, que classifica os países de acordo com a vulnerabilidade ao conjunto desses fatores.

"A plataforma deseja provocar mudanças nas práticas das comunidades ao redor do mundo para ajudar a solucionar problemas relacionados às mudanças climáticas. Queremos informar o que essas mudanças significam para a segurança do planeta. Os riscos ambientais estão entre os principais enfrentados no mundo", explica Michel Rademaker, diretor do Centro de Estudos Estratégicos de Haia.

Os países em melhor situação, segundo os resultados da equação de critérios da plataforma, são Finlândia, Dinamarca, Noruega, Japão e Holanda. Já no outro extremo estão Somália, Afeganistão, Paquistão, Iraque e República Centro Africana. O Brasil ocupa a posição 121 entre os 163 países analisados.

Soluções locais

Rademaker diz que às vezes as soluções devem ser locais, e não globais, respeitando a diversidade e as características de cada país.

"Temos que fazer mudanças substanciais nas próximas décadas. Não podemos continuar usando os mesmos modelos econômicos. Temos que, fundamentalmente, reestruturar a nossa maneira de pensar, até mesmo o uso de jargões. Se for possível encontrar caminhos que possam levar a soluções menores em várias partes do mundo, isso faria a diferença", avalia.

Em relação ao Brasil, o diretor do Centro de Estudos Estratégicos de Haia diz que os resultados mostram que o país tem um grave problema de uso da emissão hidrocarbonetos.

"Um dos critérios de risco que nós medimos, que é importante para o Brasil, é o chamado risco de baixo carbono. Trata-se do nível de dependência de uma economia, que acho que inclui o Brasil, a modelos baseados em hidrocarbonetos. Para esses países, o modelo é uma armadilha. O Brasil está no meio do ranking de baixo carbono, ou seja, não está entre as nações mais vulneráveis a esse risco. Porém é um país grande, e é um problema sério que precisa de uma atenção especial."

Queima de combustíveis

Os hidrocarbonetos se originam da queima e da evaporação de combustíveis, como álcool, gasolina e diesel, e de outros produtos voláteis. A substância é responsável pelo aumento do número de casos de câncer no pulmão, irritação nos olhos, nariz, pele e aparelho respiratório.

"Do ponto de vista do nosso monitoramento, os países devem diversificar suas economias e eliminar parte das atividades econômicas baseadas nos hidrocarbonetos, transformando-as em renováveis. Então há dois eixos: certificação econômica e uso de energias renováveis. Não estou muito familiarizado com o ecossistema brasileiro, mas acho que há um grande potencial para ter outras fontes de energias, além dos hidrocarbonetos", afirma Rademaker.

O estudo traz ainda outras informações sobre o Brasil. No item mudanças climáticas, o país tem também grande vulnerabilidade em relação à variação das chuvas, o que provoca secas e enchentes. Na parte econômica, o Brasil aparece no vermelho nos quesitos liberdade econômica, nível de débito e nota de crédito.


Sobre o mesmo assunto

  • Depois do Rio, Paris assume liderança do C40 contra mudanças climáticas

    Saiba mais

  • Veja situações imaginárias do impacto das mudanças climáticas no seu futuro

    Saiba mais

  • França/Inundações

    Cientistas associam inundações na França com mudanças climáticas

    Saiba mais

  • Mudanças climáticas favorecem disseminação do zika vírus

    Saiba mais

  • Jornais comparam combate a mudanças climáticas à luta contra o terrorismo

    Saiba mais

  • China/França

    China e França iniciam discussões de acordo ambicioso sobre mudanças climáticas

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.