Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/08 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Morreu o comediante Jerry Lewis aos 91 anos.

Revista francesa diz que Brics têm mais capacidade de agir do que G7

Revista francesa diz que Brics têm mais capacidade de agir do que G7
 
A cidade de Goa acolheu a mais recente reunião de cúpula dos Brics em outubro de 2016. REUTERS/Danish Siddiqui

Um editorial publicado na edição dessa semana da revista francesa Le Point faz um balanço da atividade dos Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O texto compara o bloco de países emergentes com o G7, que reúne as principais potências econômicas do planeta.

O editorialista Nicolas Baverez começa sua análise de forma bem pessimista, afirmando que em um momento em que a “desglobalização” avança a pleno vapor, o projeto dos Brics pode parecer algo que já pertence ao passado. Segundo ele, “a espetacular ascensão do grupo é algo indissociável do período de globalização triunfante que começou em 1989, com a queda do muro de Berlim, e que terminou com o crash de 2008”.

O texto explica que desde o início desta década, o grupo dos emergentes, com exceção da Índia, está em ponto morto. Um dos exemplos dados é o da China, que vive o final de seus 30 anos de glória, com um crescimento que caiu pela metade em menos de dez anos. “Mas a situação no Brasil, na Rússia e na África do Sul é bem mais preocupante”, comenta o autor.

No caso brasileiro, o texto fala da crise mais severa desde os anos 1930, com um índice de desemprego que praticamente dobrou e uma implosão do sistema político. Já os russos, que basearam seu modelo econômico na renda proveniente dos combustíveis, que representam 70% das exportações do país, sofrem com a queda dos preços, enquanto os sul-africanos estagnam com um índice de desemprego que ultrapassa um terço da população. Mas para o editorialista, a falta de credibilidade dos Brics vai além dessa crise conjuntural, já que a suposta união dos países esconde realidades, potências e interesses fundamentalmente diferentes.

Enterrar os Brics seria prematuro

No entanto, apesar do tom fatalista do início do texto, Baverez, que também é editorialista para o jornal de tendência conservadora Le Figaro, diz que seria um erro enterrar o conceito dos Brics. Ele explica que a situação do grupo melhora aos poucos, principalmente graças ao aumento dos preços do petróleo e das matérias-primas, e aposta que a “desglobalização” não vai frear a ascensão do bloco, por uma série de razões.

“Eles dispõem de 42% da população mundial, de uma classe média de quase um bilhão e meio de pessoas, além de concentrar 25% da produção do planeta e quase metade das reservas de câmbio, algo que permite alimentar o crescimento a partir da demanda interna”, lista o autor. Sem esquecer que várias empresas do bloco se destacam como líderes mundiais em setores do futuro, como as chinesas Baidu e Alibaba, no universo digital.

Mas a principal análise do texto é a comparação com o G7, grupo das principais potências econômicas do planeta. “Os Brics provam sua capacidade de agir, ao contrário do que acontece no G7”, alfineta. Para o editorialista, os emergentes, que formaram a primeira iniciativa de um coletivo não-ocidental desde a Guerra Fria, contribuirão para escrever a história do século 21.

“Ao invés de ceder às paixões coletivas e se fechar no protecionismo e no nacionalismo, as democracias devem buscar, no desafio lançado pelos Brics, a energia necessária para reformar, para defender a liberdade política e para restaurar a união, se associando às novas potências do Sul na governança da sociedade aberta”, conclui o editorial da revista Le Point.


Sobre o mesmo assunto

  • Índia/Brics

    Para imprensa francesa, assimetria do Brics continua enfraquecendo o grupo

    Saiba mais

  • Brics/Cúpula

    Brics terão agência de classificação de risco alternativa

    Saiba mais

  • Índia/Brics/Cúpula

    Índia sedia cúpula dos Brics em momento econômico delicado para o bloco

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Brasil não participa fragilizado da cúpula de Goa, diz vice-presidente do banco dos Brics

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.