Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Teoria do gênero é “uma grande inimiga”, diz papa Francisco

media Papa Francisco visita igreja de Tbilisi, na Geórgia. REUTERS/Osservatore Romano/Handout via Reuters

O papa Francisco faz neste sábado (1º) o segundo dia de uma visita ao Cáucaso. Durante uma missa ao ar livre em um estádio de Tbilisi, na Geórgia, o pontífice denunciou a ocorrência de "uma guerra mundial" contra o casamento e declarou que a teoria do gênero é uma “grande inimiga” do matrimônio.

Em meio à cerimônia, o papa respondeu aos questionamentos de uma mãe de família, Irina. “Você evocou uma grande inimiga, a teoria do gênero. Hoje há uma guerra mundial para destruir o casamento”, disse Francisco, diante dos milhares de fiéis.

O papa explicou que essa “guerra” não ocorre com armas, mas "pelas ideias", e destacou que há uma “colonização ideológica” sobre o tema. O pontífice pediu para os fiéis "fazerem de tudo para salvar o casamento".

Francisco considera que o divórcio "suja a imagem de Deus". “O homem e a mulher que formam uma única carne são a imagem de Deus”, insistiu.

Papa retoma discurso na ONU

O papa argentino já havia evocado o assunto diante da ONU, no ano passado, quando afirmou que essa “colonização ideológica” impõe “aos povos modelos de vida anormais e irresponsáveis”, em alusão à teoria do gênero e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A Geórgia, país de maioria cristão ortodoxa, abriga uma minoritária comunidade católica, que o papa foi reconfortar nesta visita de dois dias. Os católicos georgianos com frequência reclamam de ser marginalizados no país. A representação oficial ortodoxa recusou o convite para participar da missa, um sinal da tensão entre as duas comunidades. A visita do pontífice chegou a ser alvo de protestos.

A viagem pelo Cáucaso prossegue neste domingo (2), no Azerbaijão.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.