Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 27/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 27/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 27/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 27/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 27/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 27/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Venezuela - Manifestação durante greve contra Maduro registra um morto
Mundo

Presidente iraniano acusa EUA de não cumprir termos de acordo nuclear

media O presidente iraniano, Hassan Rohani, fala na Assembleia Geral da ONU. REUTERS/Carlo Allegri

O presidente do Irã, Hassan Rohani, usou nesta quinta-feira (22) a tribuna das Nações Unidas para convocar os Estados Unidos a respeitar sua parte do acordo nuclear assinado no ano passado entre as grandes potências e a república islâmica.

"A falta de respeito (ao acordo) por parte dos Estados Unidos há vários meses é um enfoque errôneo que deve ser retificado imediatamente", declarou Rohani diante do plenário da Assembleia Geral da ONU em Nova York. O descumprimento "debilitará ainda mais a credibilidade dos Estados Unidos" no mundo e o país norte-americano será condenado pela comunidade internacional, acrescentou.

O presidente criticou uma decisão da Suprema Corte americana que permite a apreensão de ativos iranianos e estimou que "grupos de pressão sionistas" forçam o Congresso a "adotar leis indefensáveis" e "violar normas legais internacionais".

Acordo restringe ambições nucleares iranianas a setor civil

Concluído em julho de 2015 entre o Irã e as grandes potências (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha), o acordo nuclear entrou em vigor em meados de janeiro. O pacto permitiu a eliminação de algumas sanções internacionais impostas ao Irã em troca do compromisso de Teerã de limitar seu programa nuclear ao setor civil e de não desenvolver armas atômicas.

Mas desde que entrou em vigor, e apesar da eliminação das sanções, Teerã acusa Washington de pressionar os grandes bancos para que não trabalhem no Irã.

Rohani sugeriu que se o acordo fosse respeitado em todos os termos, isso ajudaria no avanço da resolução de conflitos nos quais o Irã exerce influência, como na Síria. Ele declarou que o documento, além de tratar do dossiê nuclear, contém indicações importantes para resolver "problemas internacionais complicados".

Projeto de lei nos EUA prevê revelar ativos de líderes iranianos

Na quarta-feira (21), a Casa Branca disse que o presidente Barack Obama vetará as medidas do Congresso para revelar os ativos dos líderes do Irã, incluindo o aiatolá Ali Khamenei, se um projeto de lei chegar ao seu gabinete. A Casa Branca disse que os principais assessores de Obama recomendariam o veto.

"Divulgar esta informação também pode comprometer as fontes e os métodos de inteligência", disse a Casa Branca em um comunicado. As medidas seriam direcionadas ao líder supremo do Irã, ao seu presidente e a uma série de pessoas vinculadas à Guarda Revolucionária do Irã, às forças Quds e ao poderoso grupo paramilitar Basij.

O promotor da medida, Bruce Poliquin, argumentou que as medidas ajudarão a mostrar ao mundo como o Irã "facilita os abusos em matéria de direitos humanos através de fundos roubados do povo iraniano".

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.