Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/05 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 25/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 25/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Reator volta a ser operacional no Japão cinco anos após Fukushima

media Controle de segurança em Fukushima. REUTERS/Kimimasa Mayama/Pool

Um reator nuclear parado há mais de cinco anos, desde a catástrofe de Fukushima, foi reativado nesta sexta-feira (12) no Japão, onde atualmente apenas duas unidades estavam funcionando, em comparação com as 54 que operavam até 2011.

A companhia Shikoku Electric Power informou que o reator número três de sua usina em Ikata - 700 km a sudoeste de Tóquio – voltou a ser ligado e alcançará seu nível operacional total em dez dias. A central deverá começar a gerar eletricidade a partir de segunda-feira (15), destacou a Shikoku.

O abastecimento de eletricidade para a rede comercial começará em setembro, depois de verificações finais.

Antes do tsunami de 2011, quando a água invadiu a central nuclear de Fukushima, provocando o maior desastre nuclear mundial desde Chernobyl, na Ucrânia, em 1986, havia 54 reatores nucleares em operação no Japão.

Maioria dos japoneses é contra reativação de centrais

Após as perícias, o governo decidiu fechar definitivamente 12 deles e suspender a operação dos demais enquanto eram realizados trabalhos para melhorar a segurança. Posteriormente, foram reativados os reatores Sendai 1 e 2, que eram os únicos em operação até o momento.

Outras duas unidades que tinham começado a operar no início do ano, Takahama 3 e 4, foram paralisadas semanas depois por uma ordem judicial. A maioria da população japonesa se opõe à reativação das centrais nucleares.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.