Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Recursos do planeta para todo o ano de 2016 já foram consumidos

media Rio Tapajós, no Pará, um dos principais da Amazônia Divulgação

Nesta segunda-feira (8) a humanidade terá consumido a totalidade dos recursos que o planeta é capaz de renovar em um ano e passará a viver "a crédito" até 31 de dezembro, segundo cálculo da ONG Global Footprint Network, lembrando que esse momento chega cada ano mais cedo.

O dia 8 de agosto vai marcar para a Terra, neste ano, o Earth Overshoot Day (dia de passar do limite). Para fazer o cálculo, a Global Footprint leva em conta a emissão de gases causadores do efeito estufa, os recursos consumidos pela pesca, pecuária e agricultura, assim como as construções e o uso de água.

Em 2015, o Earth Overshoot Day foi em 13 de agosto. A data "avança inexoravelmente desde os anos 1970" do século passado, afirmam a ONG. Em 1970, esse dia chegou em 23 de dezembro e, desde então, não parou de ser adiantado.

"Para satisfazer nossas necessidades, atualmente precisamos do equivalente a 1,6 planeta por ano. O custo desse consumo excessivo já é visível: escassez de água, desertificação, erosão do solo, queda da produtividade agrícola e das reservas de peixes, desmatamento, desaparecimento de espécies", lista o comunicado.

"Viver a crédito só pode ser provisório porque a natureza não é uma jazida, da qual podemos extrair recursos indefinidamente", afirma. As emissões de dióxido de carbono (CO2), o principal gás do efeito estufa, são o maior fator desse excesso, visto que representam "60% da nossa pegada ecológica global", afirma a Global Footprint.

Segundo o Relatório Anual sobre o Estado do Clima, um documento publicado na terça-feira (2), de cuja elaboração participaram 450 cientistas do mundo todo, as emissões de gases causadores do efeito estufa atingiram níveis recordes em 2015.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.