Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Candidato que promete exterminar criminosos é presidente virtual nas Filipinas

media O candidato à presidência e prefeito de Davao, Rodrigo Duterte lidera votação nas eleições apesar de suas posições em defesa de assassinatos extrajudiciais. REUTERS/Romeo Ranoco

Uma campanha repleta de provocações, com a promessa polêmica de exterminar milhares de criminosos. Essa é a plataforma política do candidato favorito à presidência das Filipinas, Rodrigo Duterte.

Em segundo lugar estão a senadora Grace Poe, com 22,14%, seguida de perto por Max Rosas, candidato do atual presidente Benigno Aquino, de acordo com o PPCRV, organismo católico de fiscalização eleitoral.

O sistema eleitoral filipino não prevê segundo turno. O vencedor da eleição, mesmo sem maioria absoluta, será alçado à presidência desse grande arquipélago do Pacífico ocidental, que contabiliza 102 milhões de habitantes.

Para o analista político Ramon Casiple, "Duterte é quase com certeza o vencedor". O candidato, prefeito da grande cidade de Davao (ao Sul das Filipinas), 71 anos, possuía 38,92% dos votos, após a apuração de 63% das urnas.

A ameaça autoritária

Três décadas depois da revolução que expulsou do poder o ditador Ferdinand Marcos, os críticos de Rodrigo Duterte advertem para o risco de que sua eleição resulte em um novo período conturbado para o país. "Preciso da ajuda de vocês para deter o retorno do terror ao nosso país, não posso fazer isto sozinho", disse no sábado o presidente filipino, Benigno Aquino, cuja mãe, Corazón Aquino, liderou o movimento democrático que derrubou Marcos e depois presidiu a nação durante seis anos.

Mas os filipinos, que não parecem ter notado grande mudança no seu nível de vida, preferiram aderir ao discurso de Duterte contra a elite. Duterte afirma que para acabar com a pobreza é necessário erradicar o crime. Para isso, prometeu que deixará de lado uma justiça ineficaz e corrupta, ao mesmo tempo que ordenará às forças de segurança a eliminação dos criminosos.

"Esqueçam as leis sobre os direitos humanos", gritou em seu último comício. "Se for eleito presidente, farei exatamente o que fiz como prefeito. Vocês, traficantes, assaltantes e canalhas, seria melhor que fossem embora, porque vou matá-los", advertiu.

Sem limites

Duterte se permitiu até mesmo ofender o papa Francisco, num país onde 80% dos habitantes são católicos fervorosos. No discurso de lançamento da campanha no ano passado, chamou o pontífice de "filho da p...", por ter provocado engarrafamentos durante uma visita ao país.

Os filipinos votaram no domingo em eleições locais e nacionais, com mais de 18 mil cargos em disputa, após uma campanha marcada pela violência. Há 30 anos o país é governado, em níveis locais e nacionais, por clãs familiares apoiados por importantes empresários, um sistema que aumentou ainda mais as disparidades entre ricos e pobres.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.