Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Jovem é detido no Egito por zombar do governo no Facebook

media Apesar das manifestações contra o regime de Sissi, governo endurece ofensiva contra a liberdade de expressão no país. MOHAMED EL-SHAHED / AFP

Um jovem egípcio foi detido por ter zombado do governo em um vídeo satírico publicado no Facebook. A informação foi dada neste domingo (08) por fontes judiciais egípcias e coincide com uma violenta campanha de repressão contra qualquer opinião crítica no Egito.

Ezzedine Khaled, de 19 anos, segundo seu perfil no Facebook, foi preso em sua casa no Cairo no sábado e colocado por quatro dias em prisão preventiva por "incitação a participar em manifestações e por divulgação de um vídeo que insulta as instituições do Estado", disse à AFP seu advogado, Mahmoud Ottman.

O jovem é membro de um grupo chamado Street Children, segundo sua conta do Facebook, que divulga regularmente vídeos satíricos que zombam das decisões do governo, acusado de "encarcerar a juventude".

No último vídeo, alguns jovens - incluindo Khaled - zombam em uma canção da desvalorização da libra egípcia e da devolução à Arábia Saudita de duas ilhas no Mar Vermelho, dois temas que provocaram protestos no país.

Para enfrentar as manifestações pela devolução das duas ilhas, a polícia dirigiu preventivamente uma intensa campanha de prisões nos círculos de defensores de direitos humanos, da juventude laica e liberal, de blogueiros, advogados e jornalistas, principalmente.

Regime repressor

Organizações internacionais de defesa dos direitos humanos, como Anistia Internacional ou Human Rights Watch, acusam o chefe do Estado, Abdel Fatah al-Sissi, de dirigir um regime extremamente autoritário e repressor.

Depois de ter deposto e detido Mohamed Mursi em 3 de julho de 2013, o novo governo de Sissi, eleito chefe de Estado em 2014 na ausência de qualquer oposição confiável, abateu em algumas semanas mais de 1.400 manifestantes pró-Mursi. Desde então, mais de 40 mil pessoas foram detidas e centenas - incluindo Mursi -, condenadas à pena de morte.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.