Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 12/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 12/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 12/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 12/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 11/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 11/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Leões resgatados no Peru e Bolívia são libertados na África do Sul

media Depois de uma longa viagem, leões resgatados chegam a santuário na África do Sul. REUTERS/Siphiwe Sibeko

Depois de uma longa viagem de avião e caminhão, 33 leões resgatados de circos na América do Sul foram libertados neste domingo (1°) em uma reserva natural da África do Sul.

Simba, Shakira, Rolex e outros 30 felinos embarcaram na sexta-feira (29) no Peru, com destino a Johannesburgo, onde aterrissaram no sábado (30), depois de 15 horas de voo. O custo da operação, batizada de "Espírito de Liberdade", foi de US$10 mil por leão, o mesmo preço de uma passagem de primeira classe em um voo transatlântico

Na manhã deste domingo, os animais chegaram em dois caminhões ao santuário felino de Emoya, com 5 mil hectares de savana. Foi a maior operação de transporte de felinos em cativeiro da história, segundo a ONG Animal Defenders International (ADI), promotora da iniciativa. “Esses animais viveram o inferno, foram espancados e passaram fome”, declarou Jan Creamer, presidente da entidade.

Leões estavam famintos e maltratados

Dos 33 felinos, 24 estavam em circos do Peru e da Colômbia, que adotaram, em 2011 e 2013, respectivamente, leis que proíbem o uso de animais selvagens em espetáculos circenses.

Quando resgatados, a ONG encontrou os animais maltratados e famintos. Muitos tinham os dentes quebrados e problemas de saúde que impedem a sobrevivência em meio à natureza. Um está quase cego, outro perdeu um olho e a maioria não têm garras, mas agora poderão viver em paz em um habitat natural protegido.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.