Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 30/04 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 28/04 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 30/04 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 28/04 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 30/04 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 30/04 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 30/04 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 30/04 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Para abafar denúncias de corrupção, papa altera regras de canonização

media Com as novas regras anunciadas nesta quinta-feira (10), Papa Francisco assume o papel de administrador de canonizações. REUTERS/Tony Gentile

O papa Francisco aprovou nesta quinta-feira (10) novas regras sobre o financiamento de canonizações da igreja católica, que podem custar centenas de milhares de dólares a congregações religiosas. Segundo o Vaticano, a medida visa garantir maior transparência na Cúria Romana.

Um decreto do Vaticano aprovado hoje pelo papa Francisco estabelece mais controles sobre os gastos de canonizações católicas. É difícil estabelecer o custo exato de cada santificação, já que ela varia segundo a figura do candidato, a quantidade de trabalho que implica e a duração.

Sobre o processo, que pode levar décadas, existem diversas acusações de corrupção, de malversação de gastos, além de denúncias de que candidatos a santos provenientes de congregações religiosas de países ricos seriam mais favorecidos.

Virar santo pode custar centenas de milhares de euros

Segundo o livro do jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, "Via Crúcis", o escritório do Vaticano encarregado das canonizações chega a pedir até € 50 mil apenas para abrir uma causa. A canonização do padre e filósofo italiano Antonio Rosmini (1797-1855) teria custado, por exemplo, mais de € 750 mil, afirma Nuzzi.

Outros dois livros lançados em 2015, com documentos concedidos pelo padre espanhol Lucio Ángel Vallejo Balda e a laica italiana Francesca Chaouqui, denunciaram as finanças obscuras da Cúria Romana, entre elas as somas elevadas que algumas congregações religiosas gastaram para conseguir a canonização de seus protetores.

Balda e Chaouqui são atualmente julgados no Vaticano por vazamento de textos confidenciais.

Papa quer mais respeito ao dinheiro doado às canonizações

Com a medida aprovada hoje, Francisco revoga as normas determinadas em 1983 por João Paulo II e introduz a figura do "administrador" de canonizações. Segundo o Vaticano, o sumo pontífice foi encarregado de monitorar o "respeito escrupuloso do dinheiro obtido ou doado para cada causa, e de elaborar um orçamento e um balanço anual".

As novas normas entram em vigor imediatamente e serão experimentadas em um prazo de três anos. A Congregação para a Causa dos Santos já advertiu que, em caso de abusos, pode intervir no processo de canonização com medidas disciplinares.

"Fábrica de santos"

A chamada "fábrica de santos" é uma máquina burocrática complexa que estuda a vida e os milagres dos candidatos para alcançar a glória dos altares.

Em 27 anos de pontificado, João Paulo II proclamou 480 santos. Em três anos, Francisco realizou 23 canonizações, entre elas a de dois papas, João Paulo XXIII e João Paulo II, em 2014.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.