Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 17/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 17/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

EUA e Coreia do Sul iniciam manobras conjuntas na península coreana

media Coreia do Norte ameaça Seul e EUA se os países mantiverem manobras militares conjuntas. REUTERS/KCNA/Files ATTENTION EDITORS

As forças sul-coreanas e americanas iniciaram nesta segunda-feira (7) as tradicionais manobras anuais conjuntas, que estão sendo consideradas as mais importantes já realizadas na península. Pyongyang ameaçou reagir com ataques nucleares, aumentando a tensão entre o norte e o sul.

Os exercícios anuais acontecem em um contexto particularmente tenso, dois meses depois do quarto teste nuclear da Coreia do Norte e um mês depois de um tiro de míssil de longo alcance. As duas ações foram condenadas pelo Conselho de Segurança da ONU, que acaba de votar uma série de sanções contra o regime.

Mais de 17 mil americanos e 30 mil sul-coreanos participam das manobras, batizadas de "Key Resolve" e "Foal Eagle." Os exercícios contam com equipamentos sofisticados, como uma esquadra trazida por uma porta-aviões e submarinos de propulsão nuclear.

Em um comunicado divulgado antes do início da operação, a Coreia do Norte se disse pronta para uma contra-ofensiva “total.”“As manobras militares conjuntas organizadas pelos inimigos são vistas como exercícios de guerra nucleares não-dissimulados, que atingem a soberania da Coreia do Norte. A resposta militar será a realização de ataques nucleares preventivos e ofensivos”, diz o texto.

Ameaças começaram depois de sanções

De acordo com a agência oficial KCNA, o líder norte-coreano Kim Jong-Un já havia declarado que, depois do voto de sanções contra o regime na ONU, “os norte-coreanos estariam sempre prontos para utilizar o arsenal nuclear.” Não é de hoje que o regime faz ameaças aos Estados Unidos e ao vizinho do sul, mas as capacidades nucleares da Coreia do Norte, de acordo com vários especialistas, são limitadas. O país não domina a tecnologia do retorno do míssil à atmosfera, fundamental para o lançamento de uma ogiva nuclear.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.