Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Moçambique apresenta possíveis destroços do voo MH370

media Peça que pode ser do voo MH370 foi apresentada nesta quinta-feira, em Maputo. Reuters/路透社

Um fragmento de avião encontrado na costa de Moçambique, no leste da África, será enviado para a Austrália para determinar se pertence ao Boeing 777 que fazia o voo MH370, da Malaysia Airlines, desaparecido há dois anos. O pedaço, de cerca de um metro de comprimento, foi exposto pela primeira vez nesta quinta-feira (3), em Maputo, pelas autoridades moçambicanas.

O voo MH370 desapareceu em 8 de março de 2014, pouco depois de decolar de Kuala Lumpur com destino a Pequim, com 239 pessoas a bordo. Até o momento, apenas um fragmento da asa do avião foi encontrado na ilha francesa de Reunião, em julho do ano passado.

Familiares dos passageiros do avião lançaram um apelo emocionado nesta quinta-feira às autoridades para que continuem com as buscas, pouco antes da publicação de um relatório provisório da investigação, em 8 de março, por uma equipe internacional de especialistas.

A Austrália lidera as buscas no oceano Índico, onde se acredita que a aeronave tenha caído. Os australianos planejam concluir em julho as operações na zona delimitada onde poderia estar o aparelho.

Cedo para confirmar origem do pedaço de avião

O ministro dos Transportes da Malásia, Liow Tiong Lai, considera que é "muito provável" que o fragmento encontrado na costa de Moçambique pertença a um Boeing 777. As autoridades moçambicanas disseram que uma peça de avião, que ainda não foi formalmente identificada, havia sido entregue por um turista americano, Blaine Gibson. O presidente da Autoridade de Aviação Civil de Moçambique (IACM), João de Abreu, ressaltou que ainda é "prematuro (...) dizer que essa peça pertence a um Boeing ou a um Airbus ou outro".

O ministro australiano dos Transportes, Darren Chester, indicou que o pedaço de avião, de cerca de um metro de comprimento, seria enviado para a Austrália para ser analisado pelas autoridades e peritos, incluindo da fabricante Boeing. Funcionários da embaixada da Austrália em Moçambique foram instruídos a recuperar o objeto com as autoridades locais, segundo Liow. Especialistas da aviação civil malaia e da Malaysia Airlines estão a caminho de Moçambique, acrescentou.

Mistério sobre MH370 permanece

Se for confirmado que este fragmento pertence ao Boeing da Malaysia Airlines, seria uma segunda parte do avião encontrado desde o seu desaparecimento. O primeiro foi localizado em julho passado, um fragmento de asa que, conforme especialistas da Malásia e da justiça francesa, era do voo MH370. Mesmo assim, o mistério sobre o que aconteceu com a aeronave continua.

As especulações se concentram, principalmente, em torno de uma falha mecânica ou estrutural, ou um ato terrorista. Até agora, porém, nada confirma qualquer um dos cenários. O mistério em torno dessa tragédia também tem alimentado uma série de teorias da conspiração.

Famílias das vítimas insistem

A associação de famílias das vítimas Voice370 publicou nesta quinta-feira um comunicado pedindo aos países envolvidos nas buscas a não cessarem as operações, enquanto algo não for encontrado para elucidar a causa da tragédia. "Acreditamos que eles não devem jogar a toalha, fechar o caso e simplesmente considerá-lo como um mistério insolúvel", escreve o coletivo.

A dor das famílias não diminuiu após dois anos "agonizantes", acrescenta Voice370, destacando as "feridas profundas causadas pela perda" dos parentes e o fato de "não saber" o que teria acontecido.

Com informações AFP
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.