Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/04 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/04 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Mais de 60 hospitais apoiados pela MSF foram bombardeados na Síria em 2015

media Destroços do hospital da MSF de Marat Numan, no norte da Síria, destruído na segunda-feira (15) por um bombardeio REUTERS/Ammar Abdullah

Um relatório publicado pela Ong francesa Médicos Sem Fronteiras (MSF), publicado nesta quinta-feira (18), denunciou os ataques aéreos que estão destruindo as estruturas sanitárias na Síria. Segundo o documento, 94 bombardeios atingiram 63 centros médicos apoiados pela MSF no país em guerra, em 2015.

Os ataques aéreos destruíram completamente 12 hospitais e deixaram 81 funcionários mortos ou feridos. "Após cinco anos de guerra, as infraestrututras sanitárias na Síria estão sendo dizimadas", constata a organização não-governamental. Durante uma conferência de imprensa em Genebra, a presidente internacional da MSF, Joanne Liu, afirmou que a Síria se transformou em "uma máquina de matar".

Na última segunda-feira (15), mais cinco centros médicos e duas escolas em Aleppo e Idlib, no norte do país, foram alvos de tiros de mísseis. Cinquenta pessoas morreram e dezenas ficaram feridas nesses ataques, estima a ONU. O incidente mais grave destruiu um hospital, apoiado pela MSF, em Marat Numan, na província de Idlib, matando 25 pessoas. A Ong pede a realização de uma investigação independente sobre esse bombardeio que ela considera um crime de guerra.

"Esse ataque só pode ter sido deliberado e foi provavelmente realizado por forças leais ao regime sírio", afirma Joanne Liu. Ela lembrou aos envolvidos no conflito que o "médico que trata do inimigo não é o inimigo".

MSF tem agora somente três hospitais na Síria

Atualmente, a MSF possui apenas três hospitais próprios na Síria. Depois que cinco de seus funcionários expatriados foram sequestrados no nordeste do país, em 2014 e depois libertados, a Ong se limita a enviar material e remédios aos centros médicos sírios existentes. O balanço feito pelo relatório publicado hoje aponta que as estruturas sanitárias apoiadas pela MSF registraram 7 mil mortos e 155 mil feridos em 2015, no país. Mulheres e crianças representam entre 30 a 40% das vítimas. A fome nas cidades sitiadas também é responsável por dezenas de mortos.

"Em 44 anos de existência, nunca tínhamos visto um número de feridos tão elevado", ressalta a presidente da MSF. Os 70 hospitais e centros médicos que recebem uma ajuda regular da organização representam apenas uma pequena parte da estrutura médica do país e a "situação real do número de feridos deve ser muito pior do que a que constatamos", avalia.

Os cinco anos do conflito sírio deixaram até agora 260 mil mortos e levaram milhões de pessoas a fugir do país.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.