Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

China celebra Ano do macaco em clima de freio na economia

China celebra Ano do macaco em clima de freio na economia
 
A China celebra hoje a entrada do Ano Novo lunar, o ano do macaco. REUTERS/Damir Sagolj

Mais de 1 bilhão de pessoas celebram nesta segunda-feira (8) a chegada do ano novo lunar. Os festejos começam duram 15 dias na Ásia e marcam a entrada no ano do macaco de fogo. O período é também o mais importante recesso da China, quando fábricas fecham e trabalhadores voltam para suas cidades de origem. Diante da multiplicação de indicadores negativos para a economia da China, "prosperidade" é mais do que nunca a palavra-chave dos votos feitos pelas famílias chinesas.

Luiza Duarte, correspondente da RFI, em Hong Kong,

O crescimento econômico da China em 2015 foi de 6,9%, o ritmo mais lento registrado em 25 anos. Para muitos especialistas esse novo ano marca o fim da era de ouro para a economia do gigante asiático. O governo chinês afirma que o país entrou em uma fase que já foi batizada de “novo normal”. Na última semana, o presidente chinês, Xi Jinping, reforçou que vai promover novos conceitos de desenvolvimento com "reformas estruturais do lado da oferta, impulsionando indústrias fortes e emergentes, aprimorando indústrias tradicionais e desenvolvendo um setor de serviços moderno”.

Em janeiro, o país anunciou que vai cortar a capacidade de produção de aço bruto de 100 milhões a 150 milhões de toneladas nos próximos cinco anos, numa tentativa de combater o volume que não está mais sendo absorvido, arrastando para baixo os preços e castigando empresas endividadas. A China também confirmou que vai barrar novos projetos siderúrgicos.

A China também já anunciou que vai reduzir o tamanho da indústria do carvão. O Conselho de Estado reiterou a decisão de suspender, por enquanto, a aprovação de novas minas. O governo também vai investir na reestruturação de empresas visando eliminar o excesso de capacidade e ajudar trabalhadores afetados em ambas as indústrias.

Exportações em queda

Em 2015, as exportações da segunda maior economia do mundo encolheram pela primeira vez em seis anos.
De acordo com a última publicação do Índice de Gestores de Compras (PMI, na sigla em inglês), os números da indústria manufatureira chinesa em janeiro ficaram abaixo do esperado. A atividade contraiu pelo sexto mês consecutivo chegando ao seu nível mais baixo desde 2012. Tudo caminha para que a econômica chinesa continue dando sinais de enfraquecimento ao longo do ano.

Para alguns especialistas, a culpa desse resultado está na fraca demanda global e não apenas na falta de competividade da indústria chinesa. Embora as exportações da China tenham encolhido no último ano, elas ainda ultrapassam o volume das importações globais.

Com a queda das encomendas nas fábricas, muitos operários foram liberados mais cedo para as férias e temem por seus empregos quando voltarem. Vale lembrar que o primeiro trimestre do ano na China é sempre marcado por uma atividade industrial mais fraca, devido a pausa provocada pelas festividades do ano novo chinês.

Impacto na economia de Hong Kong

Em Hong Kong, o ano do macaco começa com resultados ruins nas vendas. O South China Morning Post, principal publicação de Hong Kong, afirma que uma em cada dez lojas de rua no mais importante bairro comercial da ilha deve fechar depois da temporada de férias.

Hong Kong é pelo quinto ano consecutivo o destino mais visitado do mundo e deve o título aos milhões de turistas chineses que visitam o território. Com o Hong Kong Dólar (HKD), a moeda local, atrelado ao dólar e o yuan, moeda chinesa, sofrendo desvalorizações desde agosto, Hong Kong tem ficado cada vez mais cara para os chineses e o impacto disso já pode ser notado em diversos setores como turismo, comércio e imobiliário.

O poder de compra dos chineses vem sendo reduzido e os hongkongueses também sentem no bolso. No último ano, Hong Kong registrou o mais baixo nível de vendas no varejo desde 2002. O setor imobiliário registrou em janeiro o pior resultado em 25 anos. Depois de um ciclo de alta de 12 anos, a queda da procura e aumento da taxa de juros americana têm levado os proprietários de imóveis já existentes a reduzir os preços em cerca de 10%.
Novos lançamentos foram adiados para depois do ano novo chinês. Analistas apostam em mais reduções nos preços até 2017, nesse que é um dos mercados imobiliários mais caros do mundo.

Mercado financeiro em alerta

A queda do preço do barril de petróleo e a desaceleração da economia chinesa têm preocupado investidores e gerado instabilidade no mercado financeiro. O momento é visto pelas autoridades chinesas como um período de “reequilíbrio da economia” e tem sido marcado pelo aumento da fuga de capitais.

No último mês, o medo dos investidores internacionais diante da desaceleração da economia chinesa e da consecutiva desvalorização do yuan provocou episódios de fortes baixas nas bolsas asiáticas e segue assombrando os pregões do mundo todo.

Segundo o Banco Central da China, as reservas em moeda estrangeira despencaram, perdendo US$ 99.5 bilhões em janeiro. O país continua tendo a maior reserva em moeda estrangeira do mundo com US$ 3,23 trilhões, mas tem usado os fundos para tentar manter o valor do yuan. As reservas chinesas chegaram ao seu nível mais baixo desde maio de 2012. O mercado financeiro chinês está em recesso durante o ano novo lunar e deve retomar as atividades na China continental na próxima semana.

Para atrair sorte, uma chinesa queima incenso no templo de Yonghe, em Pequim. AFP PHOTO / GREG BAKER

Características do ano do macaco

Os chineses não perdem a oportunidade de seguir à risca as tradições para garantir sorte e dinheiro quando o assunto é a virada de ano lunar. São 15 dias de festejos recheados de superstições na China, Taiwan, Macau, Hong Kong e em outros países que abrigam grande parte da diáspora chinesa. Os 12 signos do horóscopo chinês são formados por animais que se alternam a cada ano. O próximo ano do macaco, por exemplo, será em 2028.

O novo ano lunar também é marcado por um dos cinco elementos: água, terra, madeira, fogo e metal. É importante saber as qualidades dos nascidos no ano do macaco: espertos, otimistas, francos, ambiciosos e aventureiros. Por outro lado, macacos tendem a ser ciumentos, desconfiados, impetuosos, egoístas e arrogantes.
Acredita-se que o ano tenha as mesmas características do animal.

Como o Natal para o ocidentais, o ano novo é um momento de reunião em família. A China vive a maior migração do mundo no período, quando 3,6 bilhões de viagens são realizadas pelos moradores das grandes cidades saindo em direção a suas cidades de origem no interior. Nesse primeiro dia do calendário templos budistas e taoístas recebem um grande número de visitantes em busca de boa sorte.

Em Hong Kong, milhares de pessoas são esperadas essa noite para assistir ao desfile noturno com danças e alegorias para dar boas-vindas ao novo ano. Enquanto algumas partes da china, marcam a noite da virada com fogos de artificio. O show pirotécnico de mais de 20 minutos de duração só acontece em Hong Kong, na terça-feira. O espetáculo promete ser quase 3 vezes mais longo o que foi visto por aqui na noite do 31 de dezembro.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Linha Direta

    Ano novo chinês é festejado sob signo da cabra ou da ovelha?

    Saiba mais

  • Ano Novo ao redor do mundo muda de data e costumes

    Saiba mais

  • Linha Direta

    Sob o signo do cavalo, Ano Novo chinês começa nesta sexta

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.