Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Ex-presidente da Costa do Marfim é julgado por crimes contra a humanidade

media Laurent Gbagbo e seu advogado Emmanuel Altit (à dir.) na abertura do julgamento na Corte de Haia. REUTERS/Peter Dejong/Pool

Começou na manhã desta quinta-feira (29) em Haia, na Holanda o primeiro julgamento de um ex-chefe de Estado africano no Tribunal Penal Internacional. O ex-presidente da Costa do Marfim Laurent Gbagbo, de 70 anos, é julgado por crimes contra a humanidade cometidos durante uma onda de violência iniciada após a eleição presidencial de 2010.

O ex-presidente marfinense e um ex-ministro de seu governo, Charles Blé Goudé, apontado como chefe de milícia, são acusados de ter organizado um plano visando a manutenção de Gbagbo no poder, sem aceitar a derrota para o rival Alassane Ouattara.

Durante cinco meses, entre novembro de 2010 e abril de 2011, segundo a Procuradoria do TPI, centenas de civis foram vítimas de ataques, assassinatos, estupros e perseguições realizadas pelas forças do governo, com o apoio de milicianos e mercenários. A onda de violência deixou 3 mil mortos, segundo a ONU.

Preso desde 2011, Laurent Gbagbo declarou inocência na abertura do julgamento que deverá ser longo e durar vários anos. Já a procuradora do TPI Fatou Bensouda contestou Gbagbo, dizendo estar convencida de que as provas recolhidas durante o processo serão convincentes para estabelecer a culpa dos dois acusados.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.