Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Turquia recusa presença de curdos nas negociações de paz sobre a Síria

media O ministro turco das Relações Exteriores, Mevlüt Cavusoglu, em foto de arquivo. AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA

A Turquia não participará das negociações de paz sobre a Síria, que começam na sexta-feira (29) em Genebra, caso os curdos sírios do Partido da União Democrática (PYD) participem das discussões. O anúncio foi feito nesta terça-feira (26) pelo ministro turco das Relações Exteriores, Mevlüt Cavusoglu.

"Se o PYD for convidado às negociações de Genebra, claro que as boicotaremos", declarou Cavusoglu durante uma entrevista ao canal turco de televisão NTV. O ministro ressaltou que Ancara considera o PYD como uma "organização terrorista".

Durante a entrevista, Cavusoglu ainda questionou: "Qual seria a classificação do PYD na mesa [de negociações]? Será que uma organização pode ser considerada como representativa do povo? Essas negociações reúnem o regime e a oposição, não as organizações terroristas".

As declarações do ministro turco das Relações Exteriores fazem eco às do primeiro-ministro Ahmet Davutoglu. Ele já havia recusado categoricamente a presença do PYD e da milícia curda Unidades de Proteção do Povo (YPG) nas discussões de Genebra.

Papel da Turquia nas negociações sobre a Síria

A Turquia não participa diretamente dos diálogos entre o regime sírio e a oposição em Genebra, sob a coordenação da ONU, mas tem o papel de observador.

As Nações Unidas enviaram os convites para os grupos participantes da mesa nesta segunda-feira (25), mas sem especificar quem serão os integrantes. Até o momento, não há nenhuma confirmação se o PYD fará parte das discussões.

Ancara considera o PYD e o YPG como aliados do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), principal oposição ao governo turco. Há cerca de um ano, o governo do presidente turco Recep Tayyip Erdogan fez do combate aos militantes curdos do país sua prioridade.

Curdos fazem frente ao grupo Estado Islâmico

Contraditoriamente, o YPG é uma das principais forças contra o grupo Estado Islâmico na Síria. Os soldados do grupo lutam contra os jihadistas em uma vasta área no norte do território sírio, próximo à fronteira com a Turquia.

A coalizão ocidental liderada pelos Estados Unidos oferece, inclusive, apoio militar aos curdos que lutam na Síria. Mas o governo turco não esconde seu desacordo sobre a ajuda mútua entre o YPG e os ocidentais.

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, declarou hoje que as discussões de Genebra não trariam nenhum resultado, caso o PYD não fosse convidado a participar. A Rússia, ao lado do Irã, são os dois únicos aliados que restam do presidente sírio Bashar al-Assad.

As negociações sobre a paz na Síria estavam previstas para começar nesta segunda-feira (25), mas foram adiadas para sexta-feira (29) devido a "um bloqueio" sobre a composição das delegações.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.