Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 20/01 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 20/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 20/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/01 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

44 caminhões de ajuda humanitária chegam a cidade sitiada na Síria

media Caminhões de ajuda humanitária seguem para Madaya, na Síria REUTERS/Alexander Demianchuk

Um novo comboio de ajuda humanitária chegou hoje à cidade síria de Madaya, onde os habitantes sofrem com a fome após meses de cerco das forças governamentais. Dezenas de caminhões carregados com alimentos e medicamentos deixaram pela manhã Damasco rumo à cidade de 40 mil habitantes, situada 40 km a oeste da capital.

 A ONU e as potências ocidentais criticaram com firmeza o ataque das forças do regime de Bashar al-Assad na localidade, onde mais de 20 pessoas morreram de fome, segundo organizações humanitárias.

"A prioridade é a farinha de trigo e os produtos de limpeza", disse o porta-voz do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR), Pawel Krzysiek. O comboio, com 44 caminhões, também transportava equipes médicas, incluindo um nutricionista que prestará atendimento aos habitantes.

Enquanto isso, outro comboio de 17 caminhões partiu de Damasco para levar ajuda aos 20 mil habitantes das localidades xiitas de Fua e Kafraya, sitiadas pelos rebeldes na província de Idleb (noroeste).

O governo já permitiu que os caminhões levem ajuda humanitária a essas três cidades, pela primeira vez em quatro meses. O Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU afirmou que haverá uma terceira entrega de ajuda nos próximos dias.

Evacuações nos próximos dias

Caminhões com o logotipo do Crescente Vermelho sírio avançavam enfileirados em uma estrada dos arredores de Damasco, disse um fotógrafo da agência France Presse. Pequenos veículos com a bandeira azul da Agência da ONU para os Refugiados (Acnur) lideravam o comboio.

"Ficamos animados de ter conseguido alcançar essas cidades, onde milhares de pessoas estão presas há muito tempo", declarou o coordenador de assuntos humanitários da ONU na Síria, Yacub el Hillo.

Ele reconheceu que as entregas em Fua e Kafraya podem ser adiadas por culpa das complexas medidas de segurança impostas na zona, mas disse esperar que as operações possam prosseguir.

"A verdadeira solução para essa situação, para os apuros da população sitiada, é que o cerco seja levantado", considerou El Hillo. Segundo ele, a Organização Mundial da Saúde (OMS) iniciou negociações diretas com as autoridades sírias para conseguir uma evacuação segura dos habitantes de Madaya, que precisam de atendimento médico urgente.

"Encontramos casos muito urgentes em Madaya que precisam ser transferidos rapidamente ao hospital. Esperamos que isso ocorra nos próximos dias", disse El Hillo.

Cuidados médicos necessários

Uma menina de oito anos que precisava de atendimento médico especializado pôde sair de Madaya e se dirigir a Damasco com seus pais, onde está recebendo tratamento, explicou El Hillo.A ONU pediu a evacuação de cerca de 400 habitantes de Madyaa que precisam de cuidados médicos de forma imediata.

O enviado da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, afirmou na quarta-feira que as potências mundiais tentarão alcançar uma ação imediata para prestar ajuda às zonas sitiadas na Síria, após uma reunião em Genebra com os embaixadores dos membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas: Reino Unido, China, França, Rússia e Estados Unidos.

Fua, Kafraya, Madaya e o reduto rebelde de Zabadani eram alvos de um cessar-fogo assinado pelos rebeldes e pelo regime em setembro. O governo de Assad e a ONU defenderam as tréguas locais como uma maneira de colocar fim aos combates na Síria, onde mais de 260 mil pessoas morreram desde 2011.

Uma nova rodada de negociações de paz deve ser realizada em 25 de janeiro em Genebra, apesar do temor de que as tensões diplomáticas entre Irã e Arábia Saudita, que apoiam grupos distintos na guerra, possam prejudicar o processo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.