Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/07 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Conselho de Segurança aprova resolução de paz para Síria

media O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, após a adoção do plano de paz para a Síria no Conselho de Segurança da ONU nesta sexta-feira (18). REUTERS/Eduardo Munoz

Depois de tensas negociações, o Conselho de Segurança da ONU adotou por unanimidade nesta sexta-feira (18) um plano de paz para acabar com a guerra na Síria, conflito que já dura quatro anos e meio. O texto aprovado por 17 países não menciona, porém, assuntos delicados sobre a questão, entre eles o mais polêmico: o destino do presidente sírio, Bashar Al-Assad.

Marie Bourreau, correspondente da RFI em Nova York

A resolução é histórica especialmente por obter um consenso entre os Estados Unidos e a Rússia sobre a questão. Pela primeira vez em quatro anos e meio de guerra na Síria, o Conselho de Segurança conseguiu encontrar um acordo sobre um plano de transição política no país.

Na teoria, a decisão é uma grande evolução. Mas, na prática, o texto se limita em seguir as recomendações decididas na última reunião do grupo em Viena, na Áustria, nos meses de outubro e novembro.

A resolução aprovada pelas nações que integram o grupo de apoio à Síria prevê novas negociações entre o governo sírio e os rebeldes sobre um cessar-fogo já no início de janeiro, supervisionado pela ONU. O Conselho de Segurança também pretende instaurar um governo de transição nos próximos seis meses e realizar eleições em um prazo de 18 meses.

O destino de Bashar Al-Assad

Para chegar ao acordo, aprovado por unanimidade, os ministros das Relações Exteriores evitaram tocar em assuntos sensíveis sobre a questão síria, especialmente sobre o destino do presidente Bashar Al-Assad, mesmo se o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, diz ter recebido garantias da Rússia, tradicional aliado do governo sírio.

"Quando estive na capital russa, o presidente Vladimir Putin me garantiu que havia obtido o acordo de Bashar Al-Assad na colaboração para uma transição política e para realizar novas eleições", declarou Kerry.

Kerry também deixou a entender que a Rússia poderia ser mais flexível sobre a saída de Al-Assad. A questão agora é saber quando. Até o momento, há uma certeza: que a permanência do presidente sírio impede uma resolução menos complexa da crise na Síria.

Mas, a exemplo dos Estados Unidos, nem todos os países confiam cegamente na garantia dos russos. O ministro francês das Relações Exteriores, Laurent Fabius, pediu "garantias sobre a saída de Bashar Al-Assad". Para ele, é inconcebível que o presidente sírio participe da transição política do país "que ajudou a massacrar". "Enquanto Bashar Al-Assad permanecer no poder, uma reconciliação verdadeira e durável entre a população e o Estado não será possível", disse.

Questões em aberto

Apesar de ratificada, vários pontos da resolução permanecem sem definição: a lista dos grupos considerados terroristas na Síria ou os grupos da oposição que aceitam negociar já no começo de janeiro. Desta forma, é difícil de acreditar como um plano de paz poderia ser colocado rapidamente em prática na Síria.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.