Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Grupo EI é apenas um bando de assassinos eficazes nas redes sociais, diz Obama

media Barack Obama durante conferência em Kuala Lumpur. REUTERS/Jorge Silva

Em discurso neste domingo (22) em Kuala Lumpur, o presidente norte-americano pediu que a população mundial não ceda ao pânico diante do terrorismo. Otimista, Barack Obama, que estava na capital da Malásia para uma reunião de cúpula da Asean, disse que Washington e seus aliados vão perseguir os jihadistas até destruir o grupo Estado Islâmico.

Ao evocar os atentados que deixaram 130 mortos e mais de 350 feridos em Paris, o chefe da Casa Branca disse os autores dos ataques são apenas “um bando de assassinos que dispõem de boas redes sociais”. Para Obama, o mundo não deve se deixar intimidar pela ameaça terrorista.

A primeira coisa a fazer, segundo o presidente norte-americano, é que todos mantenham sua participação na conferência climática das Nações Unidas (COP 21), que começa em Paris em 30 de novembro. “É vital que cada país e cada dirigente envie a mensagem de que os atos selvagens de um grupo de assassinos não devem impedir que o mundo discuta questões vitais”, completou Obama, que participava da reunião dos dez membros da Associação das nações do sudeste asiático (Asean).

Obama, que chegou a ser acusado de contribuir par o crescimento do grupo Estado Islâmico ao recusar o envio de tropas dos Estados Unidos para atuar em solo sírio, se mostrou otimista na luta contra os extremistas. “O povo norte-americano já enfrentou ameaças enormes e reais no passado, e as venceu. Desta vez não será diferente”, disse o chefe da Casa Branca. “Para combater os terroristas, além de informações eficazes, mísseis e cortar suas fontes de renda, o maior instrumento que temos contra o Estado Islâmico (EI) é dizer que não temos medo", completou.

Na semana passada, Obama participou de cúpulas na Turquia, Filipinas e Malásia, todas marcadas pelos ataques e atentados extremistas em Paris, Líbano e Mali.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.