Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Eleições históricas em Mianmar têm participação recorde

media Senhora de minoria étnica mostra a prova de que votou nas eleições legislativas em Myanmar, consideradas as primeiras democráticas em 25 anos. REUTERS/Nay Lynn Thike

Milhões de birmaneses compareceram às urnas neste domingo (8) para eleições legislativas históricas em Myanmar, que podem levar a líder opositora e vencedora do Nobel da Paz Aung San Suu Kyi ao poder. A comissão eleitoral anunciou uma taxa de participação de quase 80%. Os primeiros resultados podem ser anunciados na manhã desta segunda-feira (9).

Os birmaneses não esconderam a emoção, já que essas eleições são apresentadas como as primeiras democráticas em 25 anos. A atenção da imprensa está voltada para Suu Kyi, que passou mais de 15 anos em prisão domiciliar e, aos 70 anos, votou pela segunda vez no país.

Suu Kyi, vestida de vermelho, a cor de seu partido, a Liga Nacional para a Democracia (LND), votou durante a manhã em uma escola do centro de Yangun, cercada por centenas de jornalistas. Aclamada por seus partidários aos gritos de "vitória", Aung San Suu Kyi não fez declarações à imprensa depois de votar na seção de Kawhmu. Ela espera a reeleição como deputada, depois de obter o cargo nas eleições legislativas parciais de 2012, que registraram uma grande vitória da LND.

Longe da atenção da imprensa que cerca Suu Kyi, o presidente Thein Sein votou em Naypyidaw, a capital administrativa do país. Seu partido, o USDP, integrado por ex-generais, é o principal adversário da LND.

Repressão política por décadas

A tensão, misturada ao entusiasmo e preocupação, aumenta com a posição de grande favorita da LND, que pode ganhar o direito de governar o país após décadas de repressão. Durante as últimas eleições consideradas livres, em 1990, a junta militar permitiu a participação da LND, que obteve uma vitória esmagadora. Mas os resultados não foram reconhecidos e Aung San Suu Kyi, então em prisão domiciliar, não teve o direito de votar. Em 2010, seu partido convocou um boicote às eleições.

A votação deste domingo é considerada um teste para o sucesso da transição democrática iniciada há quatro anos com a 'auto dissolução' da junta militar, que governou o país com mão de ferro desde 1962. Muitos dos 30 milhões de birmaneses registrados pela comissão eleitoral nunca haviam votado.

Muitos eleitores manifestaram seu amor pela "mãe Suu", como é chamada a vencedora do Nobel da Paz. Em muitas casas, a foto da líder opositora está nas paredes ao lado da foto de seu pai, o general Aung San, um herói da independência desta ex-colônia britânica assassinado em 1947.

A ausência de pesquisas, no entanto, dificulta a possibilidade de determinar seu verdadeiro nível de popularidade no país.

Suu Kyi, “acima do presidente”

Em um comunicado, a LND denunciou irregularidades em localidades do delta de Irrawaddy, com uma possível compra de votos. Além disso, as eleições foram marcadas por vários problemas: a votação antecipada no exterior foi caótica, os observadores estrangeiros não foram autorizados a entrar nos quartéis para acompanhar a votação de centenas de milhares de soldados, centenas de milhares de muçulmanos rohingyas não têm direito de voto, a eleição foi anulada nas regiões afetadas por conflitos étnicos na região norte do país e a polícia prendeu vários líderes estudantis.

Mas no geral, a votação foi calma e aconteceu sem maiores incidentes.o chefe da missão de observadores europeus afirmou não ter identificado sinais de fraudes, porém ressaltou que o processo eleitoral ainda não terminou.

Impedida de assumir a presidência

Mais de 90 partidos disputam espaço no Parlamento. E uma das grandes incógnitas continua sendo a eleição de presidente, que a Assembleia Nacional deve escolher em alguns meses. Aung San Suu Kyi, que a Constituição herdada da junta impede de assumir o cargo de presidente, anunciou durante a semana que estará "acima do presidente" em caso de vitória de seu partido.

A Constituição impede que uma pessoa que tenha filhos de nacionalidade estrangeira assuma a presidência. Ela tem dois filhos britânicos. Além disso, a tarefa de formar um eventual governo pode ser complicada para a LND, já que o exército conserva 25% das cadeiras do Parlamento para militares não escolhidos nas urnas e tradicionais aliados do USDP.

Outra grande incerteza é a reação do governo aos resultados. O exército e o presidente, um ex-militar, prometeram respeitar os resultados das urnas, ao mesmo tempo em que a televisão estatal exibiu vídeos com advertências contra qualquer tentativa de revolução inspirada na "primavera árabe".

Com informações da AFP

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.