Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

“Estrada dos Bálcãs” é o novo palco da crise migratória na União Europeia

Por
“Estrada dos Bálcãs” é o novo palco da crise migratória na União Europeia
 
Uma família síria na fronteira da Sérvia com a Hungria. REUTERS/Bernadett Szabo

A crise migratória vivida pela Europa já é considerada a maior desde a Segunda Guerra Mundial. Mas o drama de milhares de pessoas que tentam chegar ao norte do continente parece ter se deslocado. Se, no início do ano, eram as imagens de milhares de pessoas tentando atravessar o Mar Mediterrâneo que chocavam a opinião pública, agora o caminho dos refugiados é por terra.

Mais precisamente, a “Estrada dos Bálcãs”, como está sendo chamada a rota percorrida por milhares de pessoas, principalmente na última semana, entre a Turquia e a Hungria, passando por Grécia, Macedônia é Sérvia. Pelo menos 102 mil pessoas percorreram a Estrada dos Bálcãs neste ano. A imensa maioria é de sírios fugindo da guerra em seu país.

“Houve tragédias no Mediterrâneo Central, próximo à costa da Líbia, o que gerou pânico entre algumas comunidades, já que esta é uma rota muito mais perigosa e também cara”, diz Vincent Cochetel, diretor do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, para explicar o deslocamento do fluxo de migração. A nova rota começa na Turquia, onde os imigrantes vão de barco até às ilhas gregas.

“Podemos perguntar por que a Turquia não faz mais para ajudar, mas o país já tem quase 2 milhões de refugiados sírios em seu território”, afirma Cochetel. “Estes 180 mil que chegaram à costa grega representam apenas uma pequena proporção de todos os sírios que transitaram pela Turquia”, completa o dirigente da ONU.

O périplo dos imigrantes enfrenta as maiores dificuldades nas fronteiras. No início da semana, o governo da Macedônia tentou bloquear a passagem, mas acabou cedendo. A enviada especial da RFI ao país descreve um cenário chocante de pobreza e dificuldades, mas também registrou a solidariedade das populações locais, como o depoimento de um macedônio que tentava ajudar os passantes. “90% destes migrantes são pessoas boas”, disse. “Eles tem diplomas de engenheiro ou médico. Mas, por causa da guerra, tiveram que deixar o seu país.”

22 dias de viagem

Do lado dos imigrantes sírios, os depoimentos são tristes, mas de esperança no futuro. A maioria deles só quer poder chegar até os países mais ricos do continente e reconstruir suas vidas. Ficar em um destes países dos Bálcãs está fora de questão. O salário mínimo na Macedônia, por exemplo, é de apenas 350 euros. “Eu espero chegar à Alemanha ou ao Reino Unido, porque eu estudava química na Universidade de Damasco”, diz um sírio. “E quero poder continuar estudando. Se eu ficasse na Síria, eu teria de ir para o exército, mas eu não quero, porque a situação e a guerra estão muito difíceis.”

Outro cidadão sírio, que está viajando há 22 dias, descreve as dificuldades da Estrada dos Bálcãs: “Algumas pessoas nos ajudaram, outras não. Fiz e perdi amigos neste caminho. Alguns nos olham torto, não gostam da gente, parecem sentir nojo. Eu lamento, mas quando se caminha por tanto tempo, a sua aparência não fica boa. Mas normalmente não somos assim.”

Nesta quinta-feira (27), líderes dos países afetados se encontraram em Viena para debater a crise. A União Européia concederam € 2,5 bilhões para ajudar os países dos Bálcãs a lidar com o problema. A Alemanha também disse que não se recusará a receber os exilados sírios que fogem da guerra, mas alertou que a mesma política não vai valer para toda e qualquer pessoa que emigre por motivos diferentes.

“Estamos diante de um fluxo de refugiados como o da Segunda Guerra Mundial ou nas guerras da ex-Iugoslávia”, disse o sociólogo Pedro Góis, professor e investigador no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, em entrevista à repórter Liliana Henriques. “Portanto temos que reagir de acordo com o estado de emergência, que não é o estado normal da Europa”, completa.

Para Góis, o protagonismo para gerenciar a crise terá inevitavelmente que vir dos países ricos. “A Alemanha mostra números para dizer que não pode receber mais gente, mas não procura neste caso a liderança que tem em outros processos”, critica. “Itália, França e Espanha não estão em condições de acolher imigrantes, dada a sua situação econômica”, diz o sociólogo.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Linha Direta

    Turistas e imigrantes em situação precária dividem espaço na ilha grega de Kos

    Saiba mais

  • Alemanha/Imigração

    Alemanha recebe recorde de imigrantes e xenofobia cresce no leste do país

    Saiba mais

  • Áustria/Imigração

    Enquanto Europa discute crise migratória, dezenas de corpos são encontrados na Áustria

    Saiba mais

  • Xenofobia/Alemanha

    Angela Merkel é recebida com vaias de xenófobos em centro de refugiados

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.