Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Presidente da Síria decreta anistia para desertores do exército

media ارتش سوریه پیکارجویان داعش در شهر حسکه را به عقب راند Soldados do exército sírio. DR

O presidente sírio, Bachar al-Assad, decretou neste sábado (25) uma anistia geral, mas sob condições, para os desertores do exército. A medida também vale para os que se negaram a fazer o serviço militar no país em guerra, informou a agência oficial Sana.

Essa é a segunda vez em pouco mais de um ano que Assad decide anistiar os desertores, mas a medida só será aplicada se os interessados se apresentarem em um prazo de um mês, se estiverem no país, ou de dois meses, se estiverem no exterior.

Segundo a agência Sana, a anistia só é válida para os artigos 100 e 101 do código penal sírio, isto é, para os soldados e os recrutas do serviço militar que fugiram. Os desertores que participaram de operações militares contra o exército ao lado da rebelião contra o regime de Bachar al-Assad não podem ser beneficiados.

Exército diminuído

O exército sírio luta há mais de quatro anos contra rebeldes e jihadistas em todo o país, mas vê seu contingente diminuir e está cada vez mais enfraquecido. No início de julho, as autoridades sírias lançaram uma ampla campanha publicitária para convocar os cidadãos a se unir ao exército, debilitado pelo crescente número de mortos em suas fileiras.

Mais de 80.000 soldados e milicianos favoráveis ao regime morreram desde o início do conflito, em março de 2011, o que representa um terço do total de 230.000 mortos contabilizados pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH). Muitos sírios, incluindo os partidários do regime, se mostram agora reticentes em fazer o serviço militar.

A soma de mortos em combate, deserções e rejeições em se alistar fizeram com que os efetivos do exército sírio tenham caído à metade em relação a março de 2011, segundo especialistas.

(com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.