Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Brigitte Bardot denuncia massacre de 2 milhões de gatos na Austrália

media Brigitte Bardot enviou uma carta para o ministro do meio ambiente australiano, Greg Hunt, sobre o massacre de gatos selvagens. FONDATION B. BARDOT ‏@FBB_World

A atriz Brigitte Bardot condenou o massacre de dois milhões de gatos selvagens que o governo da Austrália planeja realizar com o objetivo de proteger outras espécies em perigo. As mortes já começaram. A ex-musa do cinema francês enviou uma carta para o ministro australiano do Meio Ambiente, Greg Hunt, dizendo que o plano é um "escândalo".

"Matar dois milhões de gatos em uma população estimada de 20 milhões é uma vergonha", escreveu Bardot. A atriz propõe que, em vez de matar os felinos, os recursos sejam utilizados para uma campanha de esterilização em grande escala.

Conforme números do ministério, os gatos selvagens são responsáveis pelo desaparecimento de 10% das espécies de animais, ocorrido na Austrália desde a chegada dos colonos europeus, há dois séculos. Estes felinos "representam um verdadeiro tsunami de violência e de morte para as espécies endêmicas da Austrália", declarou recentemente o ministro do Meio Ambiente.

Além da morte programada de dois milhões de gatos até 2020, as autoridades cogitam criar santuários que possibilitem a renovação de determinadas populações de pássaros e mamíferos. "A única alternativa é a esterilização. Os gatos operados defendem seu território, mas não podem se reproduzir", escreveu a atriz francesa.

Organizações divergem

Diversas organizações de defesa dos animais protestaram contra o abate. A Peta declarou que o método é ineficiente e concordou com a proposta de Bardot. “Não apenas o abate e o envenenamento dos gatos é cruel, como é ineficiente a longo prazo. O uso de veneno em áreas suburbanas também coloca em perigo gatos domésticos, cães e outros animais carnívoros”, advertiu a associação.

Outra organização, Animal Austrália, argumentou que “a maior ameaça para a existência de espécies endêmicas da Austrália é a destruição do habitat delas e o acesso à comida”. Já a Australian Wildlife Conservancy (AWC), que luta pela preservação das espécies selvagens, observou que a presença de um grande número de gatos é danosa para o restante dos animais, e “é preciso regular a população”. “É difícil criticar o projeto do governo porque é a primeira vez que essa questão dos gatos é levada a sério. Estava na hora de agirem”, destacou o diretor da entidade, Atticus Fleming.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.