Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Líderes dos Brics apresentam plano de ação em encerramento de cúpula

media Foto oficial da VII Cúpula do BRICS Roberto Stuckert Filho/PR

Os chefes de Estado e de governo dos Brics assinaram no encerramento da cúpula em Ufá, na Rússia, o documento que oficializa o banco de desenvolvimento do bloco e apresentaram o documento que define o plano de ação da parceria econômica do grupo de países que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Especial para a RFI, de Ufá, na Rússia

"As reservas de 100 bilhões de dólares em capital nos darão a oportunidade de reagir a movimentos dos mercados financeiros a tempo e de maneira adequada", afirmou o presidente russo, Vladimir Putin.

No discurso oficial, Dilma afirmou que as economias dos Brics continuarão a ser o motor da economia global. "Está em negociação na ONU uma nova agenda do desenvolvimento pós-2015, que dá início a um novo ciclo de cooperação internacional, voltado para o desenvolvimento sustentável. As iniciativas lançadas pelos Brics terão um papel decisivo e muito contribuirão de modo construtivo para esse novo momento das relações internacionais", disse.

Mas Rússia, China e também o Brasil passam por um período de desaceleração da economia. Nesta quinta-feira (9), o FMI reduziu a previsão de crescimento do país e calcula que a economia nacional vai encollher 1,5%.

Entrada de capital

Para mudar esse cenário, será preciso entrada de capital. A presidente ressaltou que o investimento externo mundial caiu quase 50% nos últimos cinco anos. Ela estima que, até 2020, os países em desenvolvimento precisarão de um volume de investimento em infraestrutura superior a US$ 1 trilhão por ano.

Ao longo do dia, a presidente teve encontros bilaterais com Belarus, África do Sul, Índia e China. Em uma reunião longa com seu homólogo chinês, Xi Jinping, Dilma afirmou que fará uma visita à China em 2016.
 

 
O tempo de conexão expirou.