Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Papa cria tribunal para julgar bispos que protegem pedófilos

media Papa aprova criação de um tribunal para julgar bispos que acobertam casos de pedofilia. REUTERS/Dado Ruvic

O papa Francisco autorizou nesta quarta-feira (10) a criação no Vaticano de uma instância judiciária encarregada de julgar bispos que não agem com transparência em casos de pedofilia em suas dioceses. Eles serão julgados por "abuso de poder" e “violação do direito canônico” se acobertarem os padres denunciados por abusos sexuais de menores de idade ou adultos em situação de fragilidade, anunciou o Vaticano.

O novo tribunal vai integrar a Congregação para a Doutrina da Fé, explicou o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi. O papa Francisco ordenou a nomeação do pessoal necessário para o funcionamento da nova instância judiciária e autorizou a liberação dos recursos necessários para a sua criação.

O delito de "abuso de poder episcopal" já existia no direito canônico, mas foi revisado agora para contemplar os casos de bispos que não denunciam os abusos. Esta é uma reforma importante que mostra o compromisso de Francisco na luta contra a pedofilia de religiosos.

Reivindicação antiga

As associações de vítimas de padres pedófilos reivindicavam há anos a criação deste tribunal no Vaticano. Francisco formou no ano passado uma comissão, integrada por 17 pessoas de várias nacionalidades, incluindo representantes das vítimas, para lutar contra a ocultação de abusos, uma prática corrente nas últimas décadas dentro da Igreja Católica. A comissão de especialistas, presidida pelo cardeal americano Sean O'Malley, elaborou a proposta que foi aprovada hoje pelo papa.

As queixas serão recebidas e transmitidas pelas congregações para os Bispos, para a Evangelização dos Povos e para as Igrejas Orientais, que são as três instituições que acompanham as atividades episcopais no mundo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.