Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 14/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 14/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Japão aprova plano de redução de gases de efeito estufa

media O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. REUTERS/Beawiharta

O governo japonês aprovou nesta terça-feira (2) um plano de redução de 26% das emissões de gases de efeito estufa entre 2013 e 2030, objetivo que o primeiro-ministro Shinzo Abe apresentará no fim de semana durante a cúpula do G7 na Alemanha.

"É um objetivo ambicioso que não deve nada ao de outros países", destacou o premiê japonês durante um conselho de ministros. A meta, segundo Abe, reflete a vontade governamental de economizar energia e utilizar fontes renováveis.

O plano deverá ser submetido a um período de exposição pública, antes que Tóquio apresente oficialmente o projeto às Nações Unidas (ONU) "em meados ou fim de julho", declarou o porta-voz do governo, Yoshihide Suga.

Ecologistas criticaram a meta oficial, apontando distorções. Eles explicam que a redução de 26% das emissões em relação a 2013 equivale a uma diminuição de 17% em comparação com 1990.

Em 2010, o Japão disse querer reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em 25% entre 1990 e 2020, mas a catástrofe na central de Fukushima, em março de 2011, tornou ilusório esse objetivo baseado em um uso crescente dos reatores nucleares.

Os 28 países da União Europeia fixaram, por sua vez, uma redução de 40% desses gases até 2030, enquanto os Estados Unidos propuseram uma diminuição de 26% a 28% até 2025 em relação a 2005. A China, maior poluidor do planeta, se comprometeu a fazer com que suas emissões deixem de aumentar a partir de 2030.

Um acordo global deverá ser selado em dezembro, durante a COP 21, a conferência da ONU sobre mudanças climáticas, que este ano acontece em Paris.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.