Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/10 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Golpe fracassa e oposição mantém protestos contra presidente do Burundi

media Rua da capital Bujumbura, nesta sexta-feira, 15 de maio 2015. REUTERS/Goran Tomasevic

A tentativa de golpe de estado no Burundi fracassou, mas a revolta dos opositores continua com o anúncio de novos protestos contra o presidente Pierre Nkurunziza . O líder do movimento rebelde, o general Godefroid Niyombaré segue foragido, mas três outros militares envolvidos no mal sucedido golpe foram presos, segundo anúncio foi feito nesta sexta-feira (15) pelo porta-voz da presidência, Gervais Abayeho.

De acordo com o governo, os militares presos são um general da polícia e dois do exército, entre eles, o ex-ministro da Defesa, Cyrille Ndayirukiye.

O presidente Nkurunziza, que estava na vizinha Tanzânia, voltou ao país na quinta-feira (14), horas depois da declaração oficial do chefe das Forças Armadas de que a tentativa de golpe tinha fracassado.

Novas manifestações

A volta do presidente não afastou a instabilidade política no Burundi e ainda atiçou a ira de seus opositores. Uma manifestação foi convocada por diversos movimentos da sociedade civil contra a intenção de Pierre Nkurunziza de disputar um terceiro mandato consecutivo.

A oposição acusa o chefe de Estado de trair a Constituição e os acordos de paz assinados em 2005 que puseram fim à guerra civil entre tutsis e huthis no Burundi, que deixou 300 mil mortos.

A candidatura dele foi validada pela Corte Constitucional. Mais de 20 pessoas morreram em diversos protestos que terminaram em confrontos entre manifestantes e a polícia.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.