Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Exército do Burundi anuncia queda de presidente, mas governo desmente golpe

media População comemora o anúncio da destituição do presidente na capital Bujumbura nesta quarta-feira (13). REUTERS/Goran Tomasevic

O general do Exército do Burundi, Godefroid Niyombare, anunciou nesta quarta-feira (13) ter deposto o presidente Pierre Nkurunziza. Mas, em sua conta no Twitter, a presidência do país publicou que a tentativa de golpe de Estado "falhou" e que a situação estava "controlada". A população saiu em massa às ruas da capital Bujumbura para comemorar a destituição do presidente, que permanece incerta.

Na rádio Insaganiro, o general declarou que Nkurunziza não é mais o presidente do país: "Ele foi retirado de suas funções, o governo foi deposto". Godefroid Niyombare é o ex-chefe do Serviço de Inteligência do Burundi. Ele foi demitido depois de desaconselhar o presidente a brigar por um terceiro mandato, o que é proibido pela Constituição do país.

O general também indicou que um comitê pela ordem e a unidade nacional foi criado. O grupo, segundo Niyombare, será responsável pelo restabelecimento do processo eleitoral "em um clima sereno e de igualdade". Ele não precisou, no entanto, quem faz parte do comitê.

Presidente está na Tanzânia

O anúncio da destituição do governo foi feito em um momento em que Nkurunziza está fora do país. O presidente se encontra em Dar es Salaam, capital da Tanzânia, para a cúpula dos chefes de Estado dos países do leste da África que discute a crise no Burundi. O país está mergulhado no caos desde o dia 26 de abril, quando um forte movimento de contestação, que é contra a candidatura e um terceiro mandato de Nkurunziza, sacudiu o país.

De acordo com uma publicação no Twitter da presidência, "o golpe de Estado foi realizado por um grupo rebelde de militares". A publicação garante que o movimento falhou. No entanto, até a noite desta quarta-feira, não havia informações oficiais sobre quem está no controle do país.

População comemora

Desde o anúncio Niyombare, a população tomou em massa as ruas de Bujumbura, celebrando junto aos militares. "Vitória, nós ganhamos!", gritavam manifestantes pelas ruas da capital. Imagens de comemoração invadiram as redes sociais do país.

No poder desde 2005, Nkurunziza foi surpreendido por um forte movimento popular ao anunciar sua candidatura. As manifestações contra o governo foram fortemente reprimidas e deixaram cerca de vinte mortos desde o final de abril. A eleição para presidente no Burundi está marcada para o dia 26 de junho.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.