Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Alpinistas no Everest são surpreendidos por avalanches após terremoto no Nepal

media Casas ficaram completamente destruídas na capital do Nepal, Katmandu. REUTERS/Navesh Chitrakar

Um forte terremoto atingiu o Nepal neste sábado (25) e gerou tremores no norte da Índia, na China e em Bangladesh, causando quase 1.000 mortes, derrubando uma histórica torre do século 19 na capital Katmandu e gerando avalanches no monte Everest. Dezenas de alpinistas que estavam na montanha ficaram bloqueados.

O balanço provisório de vítimas, de 876 mortos, indica que esse foi um dos piores tremores de terra da história do Nepal. Pelo menos 20 mortes ocorreram na Índia e na China.

A situação é dramática na região montanhosa do Nepal, em especial no monte Everest, frequentado por alpinistas do mundo inteiro. Segundo um porta-voz do Ministério do Turismo, há pelo menos 10 mortos no local, onde havia cerca de 1.000 pessoas, das quais 400 são alpinistas estrangeiros. “O balanço pode aumentar. Há provavelmente estrangeiros e xerpas [locais] entre as vítimas”, afirmou Gyanendra Shrestha.

Um funcionário da polícia, Chandra Dev Raí, informou que 700 alpinistas encontram-se no distrito de Solukhumbhu, que inclui o Everest, e cerca de 300 estariam no campo-baseda montanha com o pico mais alto do mundo. “Estamos tentando falar com eles para ver se estão bem, mas os telefones não funcionam", disse Rai.

Alta temporada

A estimativa é de que cerca de 300 mil turistas estrangeiros estejam no Nepal para a temporada de alpinismo. "Estamos enfrentando uma tremenda crise aqui e é difícil saber o número de mortos e a extensão dos danos", disse Mohan Krishna Sapkota, uma autoridade turística local. "Os alpinistas estão espalhados por todo o campo que serve como base e alguns estão mais para cima. É quase impossível entrar em contato com eles."

Dois alpinistas experientes contaram que o pânico tomou conta do local, que estava repleto de pessoas e sofreu graves danos. Outra testemunha contou que o terremoto provocou uma enorme avalanche.

"Precisei sair correndo da minha barraca para salvar a minha própria vida. Ileso. Muita, muita gente na montanha", tuitou o romeno Alex Gavan, que se preparava para escalar o Lhotse, o quarto pico mais alto do mundo.

Outro alpinista, Daniel Mazur, disse que sua equipe ficou bloqueada no campo um devido ao tremor. "Um enorme terremoto acaba de atingir o Everest. O campo-base ficou muito danificado. Nossa equipe está presa no campo 1. Por favor, rezem por todos", tuitou.

Dezesseis guias morreram no ano passado em uma avalanche no Everest, que levou as autoridades a fechar o acesso à montanha, uma decisão sem precedentes.

Destruição no resto do país

O terremoto, de magnitude 7,9 na escala Richter, é o pior em 81 anos e teve o epicentro a 80 quilômetros da segunda maior cidade do Nepal, Pokhara. O tremor foi superficial em termos de profundidade, o que intensificou sua força destrutiva. Um colapso nas comunicações dificultava os esforços de ajuda, levantando temores de desastre humanitário no país do Himalaia, com 28 milhões de habitantes.

A histórica torre Dharara desmoronou em Katmandu durante o terremoto, ocorrido logo depois do meio-dia local. Um policial disse que mais de 200 pessoas ficaram presas na estrutura.

Construída em 1832 para a rainha do Nepal, a torre tinha mais de 60 metros de altura e estava aberta a visitantes nos últimos 10 anos. Muitos corpos foram encontrados nas ruínas da construção.

Localizado entre Índia e China, e popular entre turistas aventureiros, o Nepal já registrou uma série de desastres naturais. O pior terremoto de sua história ocorreu em 1934 e matou mais de 8,5 mil pessoas.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.