Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/01 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/01 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Etiópia decreta luto por morte de cristãos pelo grupo Estado Islâmico

media Grupo Estado Islâmico divulga vídeo da suposta execução de 28 cristãos etíopes. REUTERS/Social Media Website via Reuters TV

O governo etíope decidiu observar três dias de luto oficial após o assassinato de pelos menos 28 cristãos do país capturados na Líbia. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (20) pelo porta-voz do governo. A decisão de homenagear as vítimas foi tomada um dia após a divulgação, pelo grupo Estado Islâmico, de um vídeo com ameaças aos cristãos e mostrando a suposta execução de pelo menos 28 homens apresentados como etíopes.

Os três dias de luto nacional começam nesta terça-feira (21), após a confirmação pelo Parlamento. Muitos cidadãos da Etiópia deixam seu país e migram para a Líbia ou outros vizinhos do norte da África à procura de trabalho. Milhares deles também se dirigem ao território líbio com a esperança de tentar embarcar em barcos que transportam passageiros rumo à Europa.

Dois terços dos 90 milhões de habitantes da Etiópia são cristãos, sendo a maioria, ortodoxos. Eles dizem estar no país deste o Século I.

Condenações

A Etiópia condenou com veemência o anúncio da execução e confirmou seu compromisso de continuar lutando contra o grupo extermista. Tropas etíopes foram deslocadas para a Somália no âmbito da força da União Africana criada para combater os radicais islâmicos do grupo Al-Shabaab, que é ligado à rede Al-Qaeda.

Na segunda-feira, a presidente da Comissão da União Africana, Nkosazana Dlamini-Zuma, condenou o que qualificou de "ato bárbaro e covarde". Ela confirmou que os 56 países membros da União Africana, que tem sede em Adis Abeba, deveriam redobrar seus esforços para a "restauração de instituições do Estado e da segurança na Líbia".

A execução dos cristãos etíopes também foram condenadas pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.