Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/05 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Arábia Saudita anuncia US$ 274 milhões de ajuda humanitária ao Iêmen

media Refugiados iemenitas chegando no porto de Bosasso, na Somália, no dia 16 de abril de 2015. REUTERS/Feisal Omar

A Arábia Saudita anunciou neste sábado (18) que vai liberar US$ 274 milhões para financiar as operações humanitárias de emergência que estão sendo realizadas no Iêmen pela ONU. Os sauditas, que lideram a coalizão árabe que bombardeia há quase um mês o país, vão bancar assim integralmente o apelo de ajuda feito na sexta-feira (17) pelas Nações Unidas. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-monn, pede um cessar-fogo imediato no Iêmen.

A doação de US$ 274 milhões foi prometida pelo rei Salman que reiterou seu apoio ao povo do Iêmen. O monarca saudita disse esperar o restabelecimento da segurança e da paz no país, alvo dos bombardeios da coalizão árabe desde 26 de março. Os ataques visam apoiar os partidários do presidente iemenita no exílio que lutam contra os rebeldes xiitas.

Na última noite, novas violências deixaram aos menos 27 mortos, a maioria rebeldes, em Taëz, a terceira maior cidade do país. Segundo saldo da AFP, mais de cem pessoas morreram no sul do Iêmen em menos de 48 horas.

Situação humanitária crítica

A ONU estima que 7,5 milhões de iemenitas, isto é, quase um terço da população, necessita de ajuda humanitária. Dezoito das 22 províncias do país são palco de ataques aéreos e combates entre partidários do presidente Abd Rabbo Mansour Hadi e rebeldes xiitas.

Após 24 dias de bombardeios aéreos, a situação humanitária piora a cada momento no país mais pobre do mundo. A população necessita de água, luz, alimentos e remédios. A Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que 767 pessoas morreram e 2.906 feridos, desde o dia 19 de março.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.