Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Onu impõe embargo de armas a rebeldes no Iêmen

media Militantes xiitas huthis em Aden, sul do Iêmen. AFP PHOTO / SALEH AL-OBEIDI

O Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu nesta terça-feira (14) impor um embargo de armas para os rebeldes xiitas huthis no Iêmen. O grupo é apoiado pelo Irã, país que deve apresentar à ONU um plano de paz para solucionar a crise iemenita.

A resolução votada na ONU aprovou o embargo de armas e também o congelamento de bens do chefe da milícia xiita, Abdoulmalik al Houthi, e de Ahmed Saleh, ex-chefe da Guarda republicana e filho do ex-presidente Ali Abdallah Saleh. Eles também terão seus vistos negados para viajar ao exterior.

O ex-presidente Saleh já havia sido punido em novembro passado pelo Conselho de Segurança, assim como Abd al Khaliq e Abdallah Yahya al Hakim, dois líderes das milícias huthis.

O texto proíbe a "venda de armas para esses homens e para todos que dizem atuar em nome deles ou sob seu comando no Iêmen". A resolução faz um apelo para o fim dos combates e pede para as milícias huthis se retirarem das áreas que controlam, entre elas, a capital Sanaa.

Confrontos no sul do país

Os grupos que se mantiveram fiéis ao atual presidente, Abd Rabbu Mansur Hadi, disseram ter afastado os combatentes huthis de áreas no sul do Iêmen e em diversos bairros de Aden, cidade portuária e a segunda mais importante do país.

Depois de combates violentos, os huthis foram obrigados a se retirar de locais estratégicos, incluindo a área onde estão o aeroporto e sedes de representações estrangeiras.

Os huthis, vindos do norte, tomaram a capital em setembro passado e cercaram o presidente Mansur Hadi no palácio presidencial. O chefe de Estado fugiu para Aden e de lá se refugiou na Arábia Saudita, no dia 26 de março.

O conflito tem origem em rivalidades locais, mas ganhou aspecto de um confronto regional entre o Irã, acusado de apoiar as milícias xiitas e seus aliados, e a Arábia Saudita, líder da coalizão internacional que bombardeia os redutos dos rebeldes no Iêmen.

Plano de paz

Segundo o canal iraniano Press TV, de língua inglesa, Teerã irá apresentar nesta quarta-feira (15) um plano de paz em quatro pontos para o Conselho de Segurança da ONU.

Em Madri, onde se encontra em visita oficial, o chanceler iraniano Mohammad Javad Zarif adiantou que a proposta vai abordar um cessar-fogo, assistência humanitária, abertura de um diálogo nacional entre as diferentes comunidades do país e a constituição de um governo de alianças.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.